União Europeia dobra pedido de vacinas contra covid-19 da Pfizer e BioNTech

160
Foto: União Europeia (UE)

São Paulo — A União Europeia acordou com a Pfizer e a BioNTech para dobrar seu contrato de vacinas para um total de 600 milhões de doses, com 75 milhões disponíveis no segundo trimestre do ano.

Em entrevista coletiva, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, defendeu a política de aquisição de vacinas do bloco – com a comissão atuando como única agência de compra em nome das 27 nações do bloco – e disse que foi correto selecionar um portfólio de potencial vacinas porque não estava claro qual seria a primeira no mercado.

O bloco forneceu financiamento para as seis empresas com as quais tem contratos, com uma concessão de 100 milhões de euros para Pfizer e BioNTech. “Se não tivéssemos feito isso, não teria sido possível dobrar o número de doses pedidas”, disse a Sra. Von der Leyen.

A comissão agora ordenou doses suficientes para inocular 380 milhões de europeus, ou 80% da população do bloco, disse Von der Leyen.

Mais cedo, a BioNTech havia informado que a Comissão Europeia havia pedido um adicional de 200 milhões de doses com a opção de “se de solicitar 100 milhões de doses a mais”. “Esta alteração aumentaria os 300 milhões de doses que já foram comprometidas com a UE até 2021 sob o acordo de fornecimento original assinado no ano passado”, afirma o comunicado.

“As doses adicionais seriam entregues a partir do segundo trimestre de 2021. Isso elevaria o número total de doses a serem entregues aos estados membros da UE até o final de 2021 para 500 milhões de doses, com potencial para 100 milhões adicionais”, conclui o comunicado.