UE pede que China acabe com repressão a ativistas pró-democracia

O presidente da China, Xi Jinping, em reunião com líderes da União Europeia (UE) / Foto: Ministério de Relações Exteriores da China

São Paulo – A União Europeia (UE) pediu que a China acabe com a perseguição de ativistas que defendem a liberdade e a democracia depois que a primeira pessoa foi condenada a nove anos de prisão em Hong Kong no âmbito da Lei de Segurança Nacional da China.

Segundo a porta-voz da UE para assuntos externos e política de segurança, Nabila Massrali, a segmentação de ativistas pró-democracia e aqueles que defendem direitos e liberdades deve acabar.

“Hoje, Tong Ying-kit se tornou a primeira pessoa a ser condenada e sentenciada de acordo com a lei de Segurança Nacional. Essa lei está sendo usada para reprimir o pluralismo político e o exercício dos direitos humanos e das liberdades políticas em Hong Kong”, disse a porta-voz da UE para assuntos externos e política de segurança, Nabila Massrali, no Twitter, acrescentando que

Em junho do ano passado, a China introduziu a Lei de Segurança Nacional em Hong Kong em resposta aos protestos pró-democracia que varreram a cidade no ano anterior.

Na sexta-feira, a primeira pessoa foi condenada por terrorismo e incitação à secessão e sentenciada a nove anos de prisão de acordo com essa legislação. Segundo Massrali, a segmentação de ativistas pró-democracia e aqueles que defendem direitos e liberdades deve acabar.