UE buscará progressos no comércio com EUA em visita de Biden

São Paulo – A União Europeia (UE) quer resolver as disputas comercias com os Estados Unidos e reengajar com o país durante a visita do presidente norte-americano Joe Biden na próxima semana, disse o chefe da UE para o Comércio, Valdis Dombrovskis.

“Esperamos que a cúpula possa apresentar uma agenda comercial mais positiva”, disse Dombrovskis, ao apresentar ao Parlamento Europeu os preparativos do bloco para a reunião e para o encontro dos líderes do G-7 (grupo composto por Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Canadá) no final de semana.

Segundo Dombrovskis, a UE quer fazer “progresso decisivo” para resolver disputas bilaterais sobre aeronaves e as medidas da Seção 232 dos Estados Unidos sobre aço e alumínio. “Como uma medida de construção de confiança e segurança, temos que diminuir e resolver disputas comerciais entre a UE e os Estados Unidos”, disse.

“Enviamos um sinal claro aos Estados Unidos de nossa disposição em resolver essa questão de forma justa e equilibrada, suspendendo a duplicação automática de nossas contramedidas legítimas. Agora cabe aos Estados Unidos fazerem o que dizem”.

Além, disso, a UE propôs a criação de um Conselho de Comércio e Tecnologia para promover a liderança na área comercial e digital, com base nos valores partilhados, disse Dombrovskis, citando que os dois lados devem aproximar-se em definir tecnologias e economias verdes e digitais.

As autoridades europeias também visam a formar uma aliança com os Estados Unidos para cooperar na reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), atualizando o livro de regras de comércio global.

“Nós nos envolveremos com os Estados Unidos em desafios geopolíticos críticos, incluindo a Rússia e a China”, afirmou Dombrovskis, além do apoio aos parceiros orientais da UE e garantindo a estabilidade no Oriente Médio e África.

Ele disse ainda que os dois lados assumirão o compromisso de defender a democracia e os direitos humanos, acabar com a pandemia e abordar a saúde global em geral, bem como proteger o planeta e apoiar uma recuperação econômica que beneficie a todos.

“Saudamos muito o reengajamento da administração Biden no cenário global e seu compromisso de revigorar a aliança tradicional com a Europa”, afirmou vice-presidente executivo da UE.

As relações transatlânticas deterioram-se sob a administração do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que impôs taxas de 25% ao aço e de 10% ao alumínio importado da Europa, além de tarifas relacionadas à disputa envolvendo subsídios à Airbus e à Boeing.

Em março deste ano, os dois lados concordaram em suspender as tarifas relacionadas à Airbus e Boeing, sinalizando um recomeço para a parceria europeia e norte-americana.

Com relação ao G-7, a UE “apelará a uma cooperação multilateral mais forte, em particular nos domínios da saúde, clima, recuperação econômica, e do reforço dos nossos valores comuns como sociedades e democracias abertas’, tendo como prioridade se concentrar em vencer a pandemia, concluiu Dombrovskis.