Twitter marca mensagem de Trump sobre protesto por glorificar violência

O ex-presidente norte-americano, Donald Trump, se reúne com o executivo chefe do Twitter, Jack Dorsey, no Salão Oval / Foto: Casa Branca

São Paulo – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, teve uma publicação marcada no Twitter por “glorificar a violência”, ao comentar sobre os protestos na cidade de Minneapolis, afirmando que “quando o vandalismo começa, os tiros começam”.

A maior cidade do estado norte-americano de Minnesota passa por protestos há três dias contra a violência da polícia e o racismo, depois que George Floyed, um homem negro, foi morto por um policial local, que o prendeu no chão com o joelho contra seu pescoço enquanto estava algemado e desarmado.

“Não posso parar e ver isso acontecer em uma grande cidade norte-americana, Minneapolis. Uma total falta de liderança. Ou o prefeito da esquerda radical, Jacob Frey, começa a agir e coloca a cidade sob controle, ou enviarei a Guarda Nacional e concluímos o trabalho corretamente”, disse Trump, no Twitter.

“Esses brutos estão desonrando a memória de George Floyd, e eu não deixarei isso acontecer. Acabei de falar com o governador Tim Walz e disse que o Exército estava com ele o tempo todo. Qualquer dificuldade e assumiremos o controle, mas, quando o vandalismo começa, os tiros começam. Obrigado!”, acrescentou Trump, na mensagem que foi marcada. Em seguida, a publicação foi apagada.

O Twitter disse que agiu de acordo com suas políticas ao marcar a mensagem.
“Agimos com o intuito de impedir que outros se inspirassem a cometer atos violentos, mas mantivemos a mensagem no Twitter porque é importante que o público ainda possa vê-la, devido à sua relevância para assuntos de importância pública em andamento”, disse a empresa, em comunicado.

Trump então respondeu à marcação: “O Twitter não está fazendo nada sobre todas as mentiras e propaganda divulgadas pela China ou pela esquerda radical do Partido Democrata. Eles têm como alvo republicanos, conservadores e o presidente dos Estados Unidos. A seção 230 deve ser revogada pelo Congresso. Até lá, será regulamentada!”.

Ontem, Trump assinou um decreto que tem como alvo as mídias sociais, depois que o Twitter marcou uma de suas publicações como conteúdo de desinformação nesta semana. O decreto altera a seção 230 da lei de comunicação norte-americana, que protege as plataformas de internet e seus proprietários da responsabilidade pelo que os usuários escrevem.

CASA BRANCA

Twitter marcou uma mensagem da Casa Branca por “glorificar a violência”, depois de ter feito o mesmo com a publicação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmando que responderia com tiros aos protestos em Minneapolis contra a morte de George Floyd, homem negro morto por um policial local.

“Esses brutos estão desonrando a memória de George Floyd, e eu não deixarei isso acontecer. Acabei de falar com o governador Tim Walz e disse que o Exército estava com ele o tempo todo. Qualquer dificuldade e assumiremos o controle, mas, quando o vandalismo começa, os tiros começam. Obrigado!”, disse Trump, na mensagem que foi marcada.

A Casa Branca publicou a mesma mensagem, e novamente o Twitter marcou a publicação. “A mensagem violou as regras do Twitter sobre glorificar a violência. No entanto, o Twitter determinou que pode ser do interesse público que a mensagem permaneça acessível”, diz a marcação.

Em seguida, a Casa Branca afirmou: “Esta mensagem violou as regras do Twitter sobre glorificar a violência. Contudo, o Twitter determinou que permitirá que terroristas, ditadores e propagandistas estrangeiros abusem de sua plataforma”. A Casa Branca anexou uma publicação do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei.