Trump diz a Barr que tem direito legal de intervir em casos criminais

Trump Barr
O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o ex-procurador-geral do país, William Barr. Foto: Divulgação/ Casa Branca

São Paulo – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que tem o direito de intervir em casos criminais, mas escolhe não fazer isso, em uma resposta aos comentários de ontem do procurador-geral do país, William Barr, pedindo que Trump pare de tuitar sobre
casos.

O procurador-geral disse que Trump torna seu trabalho impossível ao fazer comentários pelo Twitter sobre casos em andamento. “Eu acho que é hora de parar de tuitar sobre casos criminais do Departamento de Justiça”, disse Barr, em uma entrevista à “ABC”.

Segundo o procurador-geral, Trump “nunca me pediu para fazer nada em um caso criminal”. Sobre este comentário, o presidente disse, em uma mensagem hoje no Twitter: “Procurador-geral Barr, isso não significa que eu não tenha, como presidente, o direito legal de fazer isso, mas sim, mas até agora decidi não fazer isso”.

Esta semana, o Departamento de Justiça reverteu sua orientação inicial e recomendou menos tempo de prisão para Roger Stone, aliado de longa data de Trump, depois de críticas do presidente pelo Twitter e depois na Casa Branca. Trump disse que toda a acusação era “ridícula” e “uma desgraça”.

Os promotores haviam pedido de sete a nove anos de sentença após a condenação de Stone em novembro passado por mentir ao Congresso e testemunhar adulteração em conexão com a investigação de Robert Mueller sobre a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016 e quaisquer contatos entre a Rússia e a campanha de Trump.