Trump anuncia autorização de tratamento emergencial com plasma

217
O presidente norte-americano, Donald Trump. Foto: Divulgação/ Casa Branca

São Paulo — O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou ontem que a Food and Drugs Administration (FDA), organização norte-americana correspondente à Anvisa, liberou o uso emergencial de plasma de convalescentes no tratamento de pacientes com covid-19 no país.

“Esta é uma terapia poderosa que transfunde anticorpos muito, muito fortes do sangue de pacientes recuperados para ajudar a tratar pacientes que lutam contra uma infecção atual. Teve uma incrível taxa de sucesso”, afirmou Trump, que pediu a pessoas já curadas que doem plasma.

A liberação do uso emergencial do tratamento é temporária e exige menos requisitos do que uma aprovação total pelo órgão. “A ação de hoje expandirá dramaticamente o acesso a este tratamento”, disse Trump em uma entrevista coletiva na Casa Branca na noite de ontem. “Estamos removendo barreiras e atrasos desnecessários.”

O tratamento consiste em transfusões de plasma retirado do sangue de pessoas que já se curaram da doença e têm anticorpos contra a doença. Segundo Trump, isso reduz em até 35% a taxa de mortalidade.

No entanto, vários funcionários da saúde, incluindo o consultor de coronavírus da Casa Branca, Anthony Fauci, e Francis Collins, diretor do National Institutes of Health, levantaram preocupações sobre os dados do maior estudo sobre tratamento com plasma sanguíneo do país. Suas preocupações de que os dados eram muito fracos levaram o FDA a suspender a concessão de uso de emergência para o tratamento de sangue anteriormente. Agora, a organização acredita que os benefícios do tratamento superam os fatores pesando contra ele.

Os resultados do estudo da Mayo Clinic que o FDA citou na mais recente autorização do tratamento indicam que os pacientes com menos de 80 anos que não usavam respirador e receberam plasma com alto nível de anticorpos dentro de três dias do diagnóstico foram cerca de 35% mais com probabilidade de sobreviver por mais 30 dias em comparação com pacientes que receberam plasma com baixo nível de anticorpos. O estudo reconheceu, no entanto, que seus resultados são limitados, especialmente porque não teve uma comparação com um grupo de placebo.

Quando a FDA barrou anteriormente a autorização emergencial para o tratamento, Trump reagiu mal, acusando a organização de interesses políticos. “Eu ouço grandes coisas sobre isso… isso é tudo que posso dizer a vocês”, disse Trump. “Pode ser uma decisão política porque você tem um monte de gente lá que não quer apressar as coisas porque querem fazer isso depois de 3 de novembro”.