Trump aceita indicação com promessas sobre saúde, economia e ordem

173
O presidente norte-americano, Donald Trump / Foto: Casa Branca

São Paulo – O presidente norte-americano, Donald Trump, aceitou a indicação formal de seu partido na última noite da Convenção Nacional Republicana, que aconteceu ontem, prometendo consertar a saúde pública, reviver a economia e restaurar a lei e a ordem nas cidades administradas pela oposição democrata.

“Em nenhum momento antes os eleitores enfrentaram uma escolha mais clara entre dois partidos, duas visões, duas filosofias ou duas agendas”, disse Trump na quarta e última noite da Convenção Nacional Republicana.

“Seu voto decidirá se protegeremos os norte-americanos cumpridores da lei ou se damos rédea solta a anarquistas violentos, agitadores e criminosos que ameaçam nossos cidadãos. E esta eleição decidirá se defenderemos o modo de vida norte-americano ou se permitiremos um movimento radical para desmontá-lo e destruí-lo completamente”, acrescentou.

Trump prometeu cortar impostos substancialmente e tornar os Estados Unidos a superpotência manufatureira do mundo. Citando o baixo desemprego recorde, disse que fez mais pela comunidade negra em três anos do que o rival democrata Joe Biden fez em 47 anos.

Em frente a 1.500 pessoas na Casa Branca, Trump avisou que Biden iria desfazer suas políticas comerciais, desmantelar seções de muro que estão sendo construídas ao longo da fronteira sul com o México e servir como um “cavalo de Tróia para o socialismo”.

“Esta eleição decidirá se os Estados Unidos irão criar rapidamente milhões de empregos bem remunerados ou se esmagaremos nossas indústrias e enviaremos milhões desses empregos para o exterior”, disse ele.

Trump ameaçou impor penalidades a quaisquer empresas que terceirizassem operações e incentivará outras a trazer empregos de volta. Ele disse que seu governo tomou a ação “mais dura, mais forte e mais ousada” contra a China.

Trump se referiu à pandemia de covid-19 duas vezes como o “vírus da China” e classificando os esforços de seu governo para conter a disseminação da doença como rápidos e decisivos. Ele reconheceu as mortes causadas pelo contágio, acrescentando que se não tivesse proibido a maioria das viagens da China – observando que Biden criticou a medida – “centenas de milhares de norte-americanos teriam morrido”.

Com relação aos militares, Trump disse que os Estados Unidos construirão os melhores recursos de defesa cibernética e antimísseis do mundo. O presidente norte-americana também disse que quer manter as tropas longe de guerras estrangeiras caras.

Sobre a violência policial que provocou uma onda de protestos em várias partes do país nos últimos meses, ele disse que o atual sistema de justiça dos Estados Unidos está equipado para lidar com casos de má conduta policial e condenou a violência que eclodiu ao lado de protestos pacíficos que estão ocorrendo desde o final de maio.

“Eu não fiz nada além de lutar por você”, disse Trump. “Fiz o que nosso establishment político nunca esperava e nunca poderia perdoar, quebrando a regra fundamental da política de Washington. Cumpri minhas promessas”, afirmou.