Taxa de desemprego nos EUA cai de 3,7% para 3,5%, menor nível em 50 anos

182
Foto: Freeimages / Xiskya Valladares

Por Cristiana Euclydes

São Paulo, 4 de outubro de 2019 – A economia dos Estados Unidos criou 136 mil vagas de trabalho em setembro e a taxa de desemprego caiu para 3,5%, seu menor nível em 50 anos, de 3,7% em agosto. O número de criação de vagas veio abaixo da projeção dos analistas, que esperavam 140 mil novos postos de trabalho. A taxa de desemprego veio abaixo da previsão, de 3,7%.

Os dados foram divulgados pelo Departamento do Trabalho do país e as estimativas foram levantadas com analistas pela Agência CMA. O Departamento do Trabalho informou também que o número de vagas criadas em agosto foi revisado para cima, para 168 mil. Originalmente, havia sido divulgada a criação de 130 mil empregos no período. A criação de vagas de julho também foi revisada para cima, de 159 mil para 166 mil.

O salário médio por hora no setor privado somou US$ 28,09 em setembro, queda de 0,04% ante os US$ 28,10 registrados em agosto e aumento de 2,89% ante os US$ 27,30 de setembro de 2018. A previsão era de alta de 0,2% em base mensal e de 3,2% em base anual. Por semana, os empregados trabalharam, em média, 34,4 horas em setembro, mesma média de horas do mês anterior.

O total de pessoas empregadas somou 158,269 milhões em setembro, alta de
391 mil pessoas ante o mês anterior. Esse número inclui trabalhadores de todos os segmentos produtivos privados e públicos, com exceção do setor rural. O total de desempregados foi estimado em 5,769 milhões, queda de 275 mil em relação a agosto.

A População Economicamente Ativa (PEA) foi estimada em 164,039 milhões de pessoas, alta de 117 mil em base mensal. A taxa de participação da força de trabalho, ou seja, a proporção da PEA em relação à população civil total, ficou em 63,2% em setembro, mesma taxa de agosto.

O setor privado norte-americano abriu 114 mil postos de trabalho em setembro. Deste total, o setor de serviços foi responsável pela geração de 109 mil vagas, enquanto o setor industrial – que inclui manufaturas, mineração e construção – abriu 5 mil postos. Em agosto, o setor industrial havia aberto 1 mil vagas e o de serviços havia criado 121 mil.

Dentro da indústria, as manufaturas fecharam 2 mil vagas, a construção civil criou 7 mil postos de trabalho e a mineração não criou nem fechou vagas. Já nos serviços, o destaque ficou com a área de serviços de educação e saúde, que criou 40 mil vagas. O setor público criou 22 mil postos de trabalho em setembro, após ter aberto 46 mil vagas em agosto.