S&P eleva rating da CSN para BB e mantém perspectiva positiva

São Paulo – A agência de classificação de risco Standard and Poor’s (S&P) elevou a nota de crédito da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) para ‘BB’ de ‘B+’ e manteve a perspectiva positiva, citando uma projeção de ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorde para 2021 devido aos preços elevados do minério de ferro e forte demanda doméstica para aços

A agência projeta um ebitda de R$ 25 bilhões para a companhia em 2021 e preço de minério de ferro em US$ 180-190 por tonelada para o ano, com uma queda gradual em 2022-2023 que será parcialmente compensada por um aumento nos volumes da empresa para cerca de 44 milhões de toneladas (mt; de 36 mt em 2020) devido aos investimentos em curso em suas minas.

“O outro fator é o ímpeto crescente do segmento siderúrgico da empresa, pois os preços no mercado interno subiram devido à forte recuperação da demanda, aos sólidos preços internacionais do aço e à desvalorização do real. Isso permitiu vários aumentos de preços desde meados de 2020, reforçando o ebitda do segmento de aço da CSN”, disse a S&P, em nota.

Os volumes de aço da empresa devem subir cerca de 15% em 2021, enquanto o reabastecimento da cadeia de valor é concluído ao longo do segundo semestre. A S&P também projeta um ebitda recorde para o negócio de cimento, próximo a R$ 600 milhões.

A perspectiva positiva do rating reflete a expectativa de baixa alavancagem da companhia nos próximos 18 a 24 meses.