Relatório do Fed mostra expansão sólida, alta de preços e escassez de mão de obra

Edifício do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) / Foto: Fed

São Paulo – A economia norte-americana deve crescer em ritmo sólido nos próximos meses como reflexo do avanço da vacinação contra a covid-19 nos Estados Unidos e o relaxamento de regras de distanciamento, segundo o Livro Bege, relatório do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) sobre as condições econômicas das 12 principais regiões do país.

O documento, que avaliou a situação da economia do início de abril até o final de maio, mostrou uma expansão em ritmo moderado no período, com uma taxa de crescimento mais rápida do que a observada no relatório anterior.

“Vários distritos citaram os efeitos positivos sobre a economia do aumento das taxas de vacinação e medidas de distanciamento social mais relaxadas”, diz o Livro Bege. “Os efeitos da expansão das taxas de vacinação foram talvez mais notáveis ​​nos gastos dos consumidores, nos quais os aumentos nas viagens de lazer e nos gastos com restaurantes aumentaram a força contínua em outras categorias de gastos”, acrescenta.

Essa expansão da economia norte-americana, no entanto, esbarrou nas obstruções da cadeia de suprimentos, com vários setores indicando limitações na capacidade de produção por falta de matéria-prima.

“A produção industrial aumentou ainda mais, mesmo com os desafios significativos da cadeia de abastecimento continuando a interromper a fabricação. Os fabricantes relataram que a escassez generalizada de materiais e mão de obra, juntamente com atrasos na entrega, dificultavam o envio dos produtos aos clientes”, diz.

PREÇOS

A reabertura da economia dos Estados Unidos está levando a um aumento de preços, em parte provocado pelas obstruções na cadeia de suprimentos, e também a dificuldades de contratação, em especial de profissionais com remuneração mais baixa, segundo o Livro Bege.

O documento mostrou que continuaram a aumentar, com setores como construção, manufatura, embalagens, petroquímico e frete observando os maiores reajustes no período.

“As pressões gerais sobre os preços aumentaram ainda mais desde o último relatório. Os preços de venda aumentaram moderadamente, enquanto os custos dos insumos subiram mais rapidamente. Os custos de insumos continuaram a aumentar em geral, com muitos contatos observando elevações acentuadas nos preços das matérias-primas de construção e manufatura”, diz o Livro Bege.

O relatório indicou que as interrupções contínuas da cadeia de suprimentos intensificaram as pressões de custo e que o fortalecimento da demanda permitiu que algumas empresas, principalmente fabricantes, construtoras e de transporte, repassassem grande parte dos aumentos de custos para seus clientes.

“Olhando para o futuro, os contatos antecipam enfrentar aumentos de custos e cobrar preços mais elevados nos próximos meses”, diz o Livro Bege.

EMPREGO E SALÁRIOS

O Livro Bege mostrou um ritmo estável nas contratações, com dois terços dos distritos  reportando um crescimento modesto do emprego durante o período de referência e o restante indicando que os ganhos de emprego foram moderados.

“Como a disseminação da covid-19 continuou a diminuir, o crescimento do emprego foi mais forte em serviços de alimentação, hotelaria e varejo. Os fabricantes também contrataram trabalhadores em vários distritos. Continuou sendo difícil para muitas empresas contratar novos trabalhadores, especialmente por hora de baixa remuneração, motoristas de caminhão e comerciantes qualificados”, diz o Livro Bege.

Essa falta de candidatos impediu algumas empresas de aumentar a produção e, menos comumente, levou outras a reduzirem o horário de funcionamento.

“No geral, o crescimento dos salários foi moderado e um número crescente de empresas ofereceu bônus de assinatura e aumento dos salários iniciais para atrair e reter trabalhadores”, diz.

Para os próximos meses, a expectativa é de que a demanda por trabalhadores permaneça forte, mas a oferta siga restrita, segundo o relatório.