Reino Unido volta a decretar bloqueio nacional para conter nova variante do coronavírus

149
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson / Foto: Pippa Fowles / No 10 Downing Street

São Paulo – O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou um bloqueio nacional que começar a partir de amanhã e deve vigorar, pelo menos, até meados de fevereiro. A decisão de paralisar a economia novamente acontece em meio a descoberta de uma nova variante do coronavírus que é mais contagiosa e que veio acompanhada do aumento infecções, hospitalizações e mortes no Reino Unido.

“Os números são alarmantes. Ficou claro que precisamos fazer mais para colocar a nova variante do coronavírus de rápida disseminação sob controle e ajudar na implementação da vacinação no Reino Unido. Portanto, vamos entrar em um bloqueio nacional, com o governo mais uma vez dizendo às pessoas para ficarem em casa, exceto por razões específicas”, disse ele em pronunciamento televisionado.

Com o bloqueio nacional, que representa o nível cinco na escala de restrições, as pessoas só poderão sair de casa para compras essenciais, para trabalhar se não for possível o home office, fazer exercícios, procurar ajuda médica ou escapar de violência doméstica.

Segundo Johnson, as escolas primárias e secundárias devem passar para a aprendizagem remota a partir de amanhã, exceto para crianças vulneráveis ​​e aquelas de trabalhadores-chave. “Diante disso, não é justo que todas as provas sejam realizadas neste verão”, afirmou.

O premiê britânico começou seu pronunciamento afirmando que, quando o Reino Unido estava lutando contra a velha variante do coronavírus, os esforços coletivos estavam funcionando e teriam continuado a funcionar.

“É frustrante e alarmante ver a velocidade com que a nova variante está se espalhando. Os cientistas acreditam que seja entre 50% e 70% mais transmissível, então as pessoas têm muito mais chance de pegar o vírus e transmiti-lo”, afirmou. “Os hospitais também estão sob mais pressão da covid-19 do que em qualquer momento desde o início da pandemia”, acrescentou.

À medida que o primeiro-ministro toma novas medidas, fica claro que a situação é pior do que antes do segundo bloqueio, no início de novembro. Naquela ocasião, em 5 de novembro, a taxa era de 247 casos por 100.000 pessoas. Agora é mais que o dobro disso, com 519 casos por 100.000, segundo dados do governo.

“Como sempre, devemos olhar para todas as fontes de dados, já que as taxas de casos também podem ser influenciadas por testes em massa. Olhando para os dados do hospital, a situação é – novamente – mais séria. Atualmente, ocorrem em média 2.550 novas admissões por covid-19 todos os dias ante 1.327 em 5 de novembro”, afirmou Johnson.

O primeiro-ministro britânico se dirigiu à população em todo o Reino Unido, dizendo que sabe como é difícil e como as estão frustradas com o novo bloqueio nacional, mas afirmou que agora é o momento de todos se unirem para vencer a pandemia.

“As pessoas devem seguir as novas regras a partir de agora, que se tornará lei nas primeiras horas de amanhã”, acrescentou ele.

O parlamento deve se reunir remotamente na tarde de amanhã para dar o aval ao bloqueio nacional. Os governos da Irlanda do Norte, País de Gales e Escócia estão tomando medidas semelhantes para conter a disseminação do vírus.

“As próximas semanas serão as mais difíceis, mas eu realmente acredito que estamos entrando na última fase da luta porque a cada golpe, estamos jogando as chances contra a covid-19 e em favor do povo britânico”, disse ele. “Graças ao milagre da ciência, não apenas o fim está à vista, mas sabemos exatamente como vamos chegar lá”, completou.