Reino Unido retoma negociações com UE, mas alerta sobre fracasso

160
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson / Foto: Andrew Parsons / No 10 Downing Street

São Paulo – O Reino Unido concordou em retomar as negociações sobre sua relação com a União Europeia (UE) após o período de transição do Brexit, depois das declarações de ontem do negociador-chefe do bloco europeu, Michel Barnier, mas alertou que as conversas podem não ter sucesso.

“Concordamos que uma base para negociações com a UE e Michel Barnier foi restabelecida”, disse o negociador britânico, Michel Frost, em publicação no Twitter. Segundo ele, as conversas intensivas acontecerão todos os dias a partir de hoje, em Londres.

Por outro lado, o governo britânico reconheceu, em comunicado, que as negociações podem fracassar. “Como ambos os lados deixaram claro, são necessários dois para chegar a um acordo. É perfeitamente possível que as negociações não tenham sucesso. Nesse caso, o Reino Unido encerrará o período de transição nos termos da Austrália e prosperará ao fazê-lo”.

Segundo Downing Street, “é essencial agora que as empresas, transportadores e viajantes do Reino Unido se preparem ativamente para o final do período de transição, uma vez que a mudança está chegando, seja um acordo firmado ou não”.

Ontem, Barnier disse que é possível chegar a um acordo, se os dois lados estiverem prontos nos próximos dias para enfrentar e resolver os assuntos mais difíceis. Ele também reiterou que “qualquer acordo futuro será feito com respeito pela autonomia de decisão da União Europeia e com respeito pela soberania britânica”.

Segundo o comunicado do governo britânico, a declaração de Barnier mostrou uma mudança na abordagem da UE. Frost e Barnier conversaram e, “com base nessa conversa, estamos prontos para dar as boas-vindas à equipe da UE em Londres para retomar as negociações”.

Por fim, o governo britânico disse que existem “lacunas significativas” entre as posições dos dois lados nas áreas mais difíceis, mas está pronto para abordá-las. “Deixamos claro que o melhor e mais consagrado meio de regular a relação entre duas partes soberanas e autônomas é aquele baseado em um acordo de livre-comércio”.

As cotas de pesca, igualdade de condições e questões de governança estão entre os principais impasses nas conversas. O Reino Unido deixou a UE em janeiro deste ano, mas permanece sob os termos comerciais atuais do bloco até o final do período de transição, em 31 de dezembro, enquanto os dois lados negociam um novo arranjo.

Na sexta-feira passada, Johnson disse que estava se preparando para o fim do período de transição sem acordo, e que não fazia sentido continuar negociando caso a UE não mudasse de abordagem.

Sem um acordo comercial, serão cobradas incluindo tarifas alfandegárias e controles completos de fronteira para mercadorias do Reino Unido que entram na UE, as mesmas regras plicadas para o comércio atual entre o bloco europeu e a Austrália.