Reino Unido aprova vacina de Pfizer e BioNTech contra novo coronavírus

Foto: BioNTech

São Paulo – O Reino Unido autorizou o uso de emergência da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela norte-americana Pfizer e pela alemã BioNTech. Segundo o governo britânico, em comunicado, as doses estarão disponíveis em todo o país a partir da próxima semana.

“O governo aceitou hoje a recomendação da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA, na sigla em inglês) independente para aprovar a vacina covid-19 da Pfizer e BioNTech para uso. Isso segue meses de testes clínicos rigorosos e uma análise minuciosa dos dados por especialistas da MHRA, que concluíram que a vacina atendeu aos seus padrões estritos de segurança, qualidade e eficácia”, diz a nota.

“A vacina estará disponível em todo o Reino Unido a partir da próxima semana”, segundo o comunicado. “O Comitê Conjunto de Vacinações e Imunizações (JCVI, na sigla em inglês) publicará em breve seu conselho final para os grupos prioritários para receber a vacina, incluindo residentes de casas de repouso, equipes de saúde e cuidados, idosos e pessoas clinicamente extremamente vulneráveis”.

As análises finais dos dados, de estudos clínicos de fase 3, mostraram que a vacina da Pfizer e da BioNTech tem uma taxa de eficácia de 95%. De 170 voluntários adultos no ensaio de quase 44 mil indivíduos que desenvolveram covid-19 com pelo menos um sintoma, 162 receberam um placebo.

“A autorização de uso de emergência de hoje no Reino Unido marca um momento histórico na luta contra a covid-19”, disse o executivo-chefe da Pfizer, Albert Bourla. “Esta autorização é uma meta pela qual temos trabalhado desde que declaramos que a ciência vencerá, e aplaudimos a MHRA por sua capacidade de conduzir uma avaliação cuidadosa e tomar medidas oportunas para ajudar a proteger o povo do Reino Unido”.

O executivo-chefe da BioNTech, Ugur Sahin, também reconheceu a importância da autorização britânica. “Acreditamos que a implantação do programa de vacinação no Reino Unido reduzirá o número de pessoas hospitalizadas na população de alto risco”.

O governo britânico anunciou em julho um acordo com a Pfizer e a BioNTech pelo fornecimento de 30 milhões de doses da vacina, caso fosse autorizada para uso. O acordo foi elevado em outubro para 40 milhões de doses.

Ontem, a Pfizer e a BioNTech enviaram o pedido de autorização de uso de emergência de sua vacina à Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) para uso emergencial. A solicitação já havia sido feita à Food and Drug Administration (FDA, equivalente a Anvisa no Brasil), nos Estados Unidos.