Radar do Dia: Possíveis sanções dos EUA contra a China e Brexit sem acordo

252

São Paulo – As bolsas iniciam a semana em baixa com rumores de que os Estados Unidos estariam preparando novas sanções contra a China e o aparente fracasso nas negociações da União Europeia e do Reino Unido neste fim de semana, sobre o acordo que pautaria as relações comerciais entre ambos a partir do ano que vem.

O principal negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, disse que divergências significativas permanecem entre a União Europeia (UE) e o Reino Unido e que ainda não há condições para que um acordo comercial seja alcançado entre os dois lados.

Nos Estados Unidos, O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que o mercado de trabalho norte-americano enfrenta dificuldades e que um pacote de estímulos é necessário para que as empresas e famílias possam superar a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Segundo ele, a situação deve ser agravar com a chegada do inverno já que o contágio da covid-19 tende a aumentar.

No Brasil, o Supremo Tribunal decidiu no final de semana impedir que os atuais presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, sejam reeleitos em 2021.

A notícia pode ser positiva para o presidente Jair Bolsonaro, aumentando as chances de o Planalto colocar na chefia das duas casas pessoas mais alinhadas a sua agenda, o que facilitaria a discussão de pautas de interesse do governo.

Especialistas, porém, apontam que isso não necessariamente significaria mais espaço para as reformas econômicas pretendidas pelo ministro Paulo Guedes, cujas propostas nos últimos meses têm sido diluídas ou barradas por Bolsonaro antes de chegarem ao Congresso.

Na agenda, investidores ficam atentos aos dados da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) e os dados sobre a crédito ao consumidor de outubro serão publicados às 17h pelo Federal Reserve. A previsão é de US$ 17,5 bilhões.

Em âmbito corporativo, A Gol encaminhou proposta de incorporação de ações ao conselho de administração da Smiles envolvendo suas principais subsidiárias operacionais.

A Cemig anunciou que recebeu carta de renúncia de Rafael Falcão Noda do cargo de diretor da CemigPar.

A Vale anunciou que a Capital Research comprou 6,2 milhões de ações da companhia e aumentou uma participação de 4,99% para 5,11%.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) informou queda do Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) em todos os submercados para o período de 5 a 11 de dezembro. No Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte, o PLD recuou 62%, para R$ 210,74 por megawatts-hora (MWh) e no Nordeste, a diminuição é de 64%, para R$ 200,33 por MWh.

A Petrobras informou o cancelamento do projeto de adequação da unidade de tratamento gás Monteiro Lobato (UTGCA), localizada em Caraguatatuba, no estado de São Paulo, e as licitações associadas que atenderiam ao projeto, devido à perda de atratividade econômica, de acordo com as premissas do Plano Estratégico 2021-2025 da companhia.

A Qualicorp convocou Assembléia Geral Extraordinária, em 21 de dezembro, para deliberar sobre a proposta de rerratificação do montante global da remuneração dos administradores da companhia para o exercício de 2020, para aumentar o limite global anual de até R$ 48,7 milhões para até R$ 65,9 milhões, em decorrência de despesas extraordinárias.

A Totvs recebeu correspondência do Itaú Unibanco comunicando que, em 2 de dezembro, a soma das ações em investimentos administrados pelo banco atingiu 5,005% das ações ordinárias da companhia, totalizando 28.929.046 ações, configurando aumento na participação acionária relevante.

A Gerdau informou que a Schroder Brasil comprou 6.416.000 ações da companhia e, com isso, o seu grupo controlador, Schroders, detêm 60.406.500 ações preferenciais, que representam 5,27% do total de ações preferenciais da siderúrgica.

O conselho de administração da Equatorial Energia aprovou o programa de recompra de ações, na quantidade máxima de até 50.110.056 ações, atingindo o valor total de R$ 1,086 bilhão, considerando a média ponderada das cotações dos últimos dez pregões nos quais as ações da companhia foram negociadas.

A B3 aprovou a emissão, no valor de R$ 205 milhões, de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em até duas séries, e a emissão de certificados de recebíveis imobiliários, com lastro nos créditos imobiliários decorrentes das debêntures, por meio da realização de oferta pública de distribuição.