RADAR DO DIA: Mercados olham exterior em meio ao local conturbado

150

São Paulo – Diferentemente de ontem que o Ibovespa repercutiu basicamente acontecimentos internos, em função do feriado nos Estados Unidos que manteve as bolsas fechadas, diminuindo a liquidez, no pregão de hoje a expectativa é que fatos externos e novo coronavírus devem reverberar também.

Por aqui, o desdobramento político após a divulgação do vídeo da reunião ministerial na qual o ex-ministro Sergio Moro afirma que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal (PF) gerou certo alívio, uma vez que para analistas do mercado o conteúdo afasta o risco imediato de um impeachment ou abertura de inquérito contra Bolsonaro, embora não elimine os riscos políticos do governo.

No radar dos investidores consta também um novo depoimento do empresário Paulo Marinho sobre o fato de a Polícia Federal (PF) ter segurado uma operação para não prejudicar a candidatura de Jair Bolsonaro à presidência.

Lá fora, os investidores olham a tensão entre Estados Unidos e China após a reação de Donald Trump na semana passada de que caso a China leve adiante o plano contra Hong Kong haverá uma “reação muito forte”. O receio é que tal decisão coloque em xeque o acordo fase 1 entre as duas potencias.

Por conta da disseminação desenfreada do coronavírus por aqui, Trump proibiu a entrada de estrangeiros vindos do Brasil como forma de prevenção à doença no país. Além disso, o mercado voltou a ter esperança no lançamento de uma vacina contra a doença.

Em relação à pandemia causada pelo novo coronavírus, o número de mortes no mundo está em mais de 336 mil pessoas, de acordo com a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins, enquanto o número de casos no mundo já ultrapassou 5,180 milhões de infectados. O Brasil possui 374,898 mil casos confirmados, enquanto 23,473 mil pessoas morreram por causa da doença.

Ontem, o Ibovespa encerrou em alta de 4,24%, aos 85.663,48 pontos, reagindo à reabertura de economias de países no exterior, à valorização de bancos e ao alívio trazido após a divulgação do vídeo da reunião ministerial do governo.

Nesta manhã, os contratos futuros de ações dos Estados Unidos operam no campo positivo, após não operaram ontem devido a um feriado no país, refletindo uma possível nova vacina contra o coronavírus e antes da ata do Fed#.

Na Europa, por sua vez, os mercados operam em alta de olho no afrouxamento da quarentena em vários países após diminuir o número de casos na região e o início de abertura de algumas economias, além de uma possível nova vacina contra a doença.

Na Ásia, os principais índices do mercado de ações fecharam em campo positivo com a reabertura ocorrida ontem em Tóquio, além de um otimismo com mais uma empresa anunciando o início dos testes em humanos de uma possível vacina contra o novo coronavírus.

EMPRESAS

A Vale disse que celebrou contrato de exclusividade com a australiana New Century Resources para a venda de sua participação na Nova Caledônia, localizada na França. Segundo a mineradora, as negociações incluem um pacote financeiro para continuidade das operações.

A Latam Airlines informou que a companhia e suas afiliadas no Chile, Peru, Colômbia, Equador e Estados Unidos entraram com um pedido de recuperação judicial na justição norte-americana e recorrerão à proteção contra falência no país. Segundo comunicado divulgado pelo grupo, as afiliadas da Argentina, Brasil e Paraguai não foram incluídas no documento.

O lucro líquido ajustado do Magazine Luiza caiu 76,7% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019, para R$ 30,8 milhões, enquanto a receita líquida da empresa teve avanço de 20,9% para R$ 5,234 bilhões.

O conselho de administração do Magazine Luiza aprovou o cancelamento da distribuição de dividendos adicionais aos acionistas, no valor de R$ 290,9 milhões.

A Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) energizou o empreendimento Mariana Transmissora de Energia Elétrica, que possui uma Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 15,4 milhões para o ciclo 2019-2020.

A produção de aço bruto no Brasil caiu 39,0% em abril ante igual período do ano passado, para 1,811 milhões de toneladas, segundo dados divulgados pelo Instituto Aço Brasil (IABr).

O conselho de administração da MRV aprovou o regimento e a nomeação de Rubens, Menin, Rafael Menin, Antônio Kandir e Leonardo Corrêa para compor o comitê financeiro. Além disso, o colegiado ratificou a doação de R$ 6,902 milhões para o Instituto MRV, o equivalente a 1% do lucro da companhia em 2019.