RADAR DO DIA: Investidores mais animados após decisão do Fed

170

São Paulo – Ao contrário do visto ontem nos mercados ao redor do globo, os investidores desta vez estão mais otimistas após o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) ter anunciado ontem que ampliará o escopo de seu programa de compra de títulos corporativos, visando um portifólio “amplo e diversificado”, para garantir liquidez nos mercados e disponibilidade de crédito para grandes empregadoras.

Além disso, o otimismo é corroborado por um possível plano de infraestrutura de quase US$ 1 bilhão pelo governo dos Estados Unidos, que seria direcionado para estradas e pontes, mas também para fundos de infraestrutura 5G e banda larga rural – este último assunto será abordado por Donald Trump na próxima quinta-feira (18). O financiamento de infraestrutura termina em 30 de setembro, final do ano fiscal atual.

Porém, sinais de que o coronavírus voltou a ganhar força nos Estados Unidos e China, registrando dezenas de novos casos de infecção em Pequim e alguns estados norte-americanos continua no radar e pode pressionar os mercados de forma negativa.

Nos Estados Unidos às atenções seguem voltadas para o aumento dos protestos contra a violência policial e o racismo que, além da morte de George Floyd, um homem negro, que foi morto por enforcamento por um policial branco, desta vez um homem negro foi morto após nova ação policial em uma lanchonete na cidade de Atlanta.

Além disso, a crise entre Estados Unidos e China continua no radar dos investidores. O país asiático aprovou uma resolução que autoriza a elaboração de uma nova lei de segurança nacional para Hong Kong abrindo um precedente para uma colisão entre Pequim e Washington, uma vez que Trump já afirmou que estuda possíveis sansões em retaliação à atitude chinesa.

Por aqui, e não menos importante, a Polícia Federal cumpre nesta manhã 21 mandados de busca e apreensão relacionados ao inquérito 4.828, que investiga a origem de recursos e a estrutura de financiamento de grupos suspeitos da prática de atos contra a democracia.

Ontem, sob o mesmo inquérito, ocorreram prisões relacionadas ao mesmo inquérito – entre elas a de Sara Winter, identificada como uma das líderes do acampamento 300 do Brasil, em Brasília.

Com isso, o desagravo entre Legislativo e Judiciário continua no radar após o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, afirmar que os ataques direcionados à corte, como o ocorrido no último sábado, estão sendo financiados ilegalmente e contam com apoio de membros do Estado.

O Ministério Público Federal (MPF) determino a abertura de inquérito para investigar o lançamento de fogos de artifício em direção ao prédio do STF no sábado. Também foi solicitada perícia no local a fim de identificar danos ocorridos no edifício e resguardar provas processuais.

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, voltou a dizer que as Forças Armadas descumpririam “ordens absurdas”, como a tomada do poder. As declarações foram feitas após decisão do ministro do STF, Luiz Fux, delimitando o uso das Forças Armadas à luz do que prevê a Constituição.

Na semana passada, no entanto, um pedido de vista apresentado pelo ministro Alexandre de Moraes interrompeu o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de duas ações ajuizadas contra o presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão. Elas pedem a cassação da chapa formada por ambos nas eleições de 2018.

Por outro lado, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Og Fernandes, vai analisar nos próximos dias se inclui provas colhidas no inquérito do STF sobre notícias falsas em ações contra o presidente Jair Bolsonaro abertas pelo PT, o PCdoB e o Pros.

O ministro Dias Toffoli convocou sessão extraordinária para amanhã, às 9h30, para discutir uma ação que questiona o inquérito aberto por ele para apurar notícias falsas sobre a corte e ameaças a seus ministros.

Em relação à pandemia causada pelo novo coronavírus, o número de mortes no mundo está em mais de 431 mil pessoas, de acordo com a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins, enquanto o número de casos no mundo já ultrapassou 7,8 milhões de infectados. O Brasil possui 891,556 mil casos confirmados, enquanto 44,118 mil pessoas morreram por causa da doença.

Na agenda da semana, o destaque fica por conta de decisões de políticas monetárias do Comitê de Política Monetária (Copom) na quarta-feira (17), e do Banco da Inglaterra (BoE) na quinta-feira (18).

Na sexta-feira, o Ibovespa encerrou em queda pelo quarto pregão consecutivo, com perdas de 0,45%, aos 92.375,52 pontos, refletindo o maior temor sobre uma segunda onda da pandemia do novo coronavírus, em meio ao aumento de casos na China e nos Estados Unidos.

Nesta manhã, os contratos futuros de ações dos Estados Unidos mostram uma abertura no campo positivo, refletindo a ampliação de ajuda do Fed e possível anúncio de Trump de um plano para infraestrutura.

Na Europa, as principais bolsas operam em alta reverberando o anúncio do Fed e de olho em possível anúncio do presidente norte-americano.

Na Ásia, os principais índices do mercado de ações fecharam em alta, após o Fed anunciar novos estímulos econômicos, e depois da decisão do Banco do Japão (BoJ). A Bolsa de Tóquio avançou quase 5%.

CORPORATIVO

O conselho de administração da Via Varejo aprovou o preço de R$ 15 por ação, no âmbito da oferta pública de 220 milhões de ações ordinárias, mais o adicional de 77 milhões ações, perfazendo montante total de R$ 4,455 bilhões de aumento de capital.

A Oi, em recuperação judicial, registrou prejuízo líquido consolidado de R$ 6,2 bilhões no primeiro trimestre de 2020, reverte o lucro líquido visto um ano antes. Segundo a operadora, o resultado foi impactado pela forte depreciação cambial no período em decorrência do avanço do coronavírus no mundo.

A Oi, em recuperação judicial, disse que protocolou junto à 7 Vara Empresarial do Rio de Janeiro a proposta de aditamento ao plano de recuperação judicial que visa à sustentabilidade do seu negócio, por meio da reorganização e simplificação do grupo do ponto de vista societário e operacional, de forma a assegurar maior flexibilidade e eficiência financeira.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) disse que foi adiado a assinatura do contrato com o município de Mauá e o Saneamento Básico do Município de Mauá (Sama), referente ao contrato de prestação de serviço e o termo de ajuste para pagamento e recebimento de dívida. A concessionária não deu detalhes do porquê do adiamento.

Assim como aconteceu em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, a Iguatemi suspendeu as operações no Iguatemi Porto Alegre e o Praia de Belas, no Rio Grande do Sul, devido ao avanço da doença no estado que fez o governo local voltar atrás no isolamento social.

O conselho de administração da Minerva aprovou a emissão de 600 mil debêntures, em série única, não conversíveis em ações, pelo valor unitário de R$ 1 mil, perfazendo o montante total de R$ 600 milhões. As debêntures terão prazo de vencimento de cinco anos.

Após mais de oito horas de discussão, o pedido de vista do diretor Efraim Cruz fez a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiar a decisão sobre à proposta de regulamentação da Conta-covid, elaborado pelo decreto 10.350/2020, que permite às distribuidoras tomar empréstimos lastreados em ativos regulatórios.

O conselho de administração da Engie Brasil aprovou a contratação de financiamento de R$ 2,5 bilhões pela controlada indireta Novo Estado Transmissora de Energia, junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A B2W firmou parceria com a Arcos Dourados, dententora da marca MC Donald’s no Brasil para a integração das suas lojas no B2W Marketplace. A parceria está em fase piloto com o atendimento de lojas no Estado de São Paulo.

A fabricante de jatos Embraer concluiu os termos de contratos de financiamneto ao capital de giro para exportações no valor total de até US$ 600 milhões. O prazo total é de quatro anos.

A Petrobras iniciou a fase não vinculante para a venda de quatro usinas termelétricas e fornecerá informações aos potenciais investidores sobre o processo de alienação dos ativos e orientações para a realização de propostas vinculantes.