RADAR DO DIA: Investidores atentos ao petróleo e coronavírus

264

São Paulo – A semana começa com a crise desencadeada no petróleo entre Rússia e Arábia Saudita, que levou o país do Oriente Médio a aumentar a produção e reduzir os preços praticados pela estatal Saudi Aramco após o fracasso nas negociações entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e países aliados para uma redução coordenada da oferta da commodity.

A iniciativa está relacionada ao impacto econômico da epidemia do Codiv-19, nome da doença do coronavírus, que tem abalado os mercados ao redor do globo e levado entidades a revisarem projeções da economia global em 2020.

No Brasil, por exemplo, temos 25 casos de coronavírus confirmados até o momento, com os casos suspeitos atingindo 663. A cidade de São Paulo é onde está o maior número de casos confirmados com 16, seguida por três no Rio de Janeiro e dois na Bahia. Duas pessoas em São Paulo tiveram contato com o primeiro caso confirmado no país, o que mostra a transmissão doméstica da doença.

Na China, epicentro do surto, o número de mortes causadas por infecção pelo novo coronavírus subiu para 3,119 mil, de acordo com a Comissão Nacional de Saúde do país. Ao todo, 80,735 mil casos foram confirmados em 31 províncias chinesas.

Na Itália, país europeu onde a doença avançou rapidamente, o número de casos confirmados do coronavírus aumentou de 5,061 mil no sábado para 6,387 mil no domingo. Diante disso, o governo anunciou medidas para restringir a movimentação de pessoas para tentar conter a disseminação da doença.

Na sexta-feira, o Ibovespa fechou em queda de 4,14%, aos 97.996,77 pontos, refletindo o aumento de casos do novo coronavírus em diversos países, incluindo o Brasil, e temor de que isso impacte ainda mais economias já fragilizadas em todo o mundo.

Nesta segunda-feira, os mercados asiáticos fecharam o pregão em forte queda diante da guerra no petróleo em função do coronavírus, do Produto Interno Bruto (PIB) japonês que fechou o quarto trimestre de 2019 em queda de 7,1% na taxa anualizada e de indicadores chineses.

Os mercados europeus e os futuros norte-americanos operam em queda de olho na crise de preço de petróleo desencadeada entre Rússia e a Arábia Saudita e do aumento do número de casos do coronavírus em países da Europa.

No dólar, o banco central brasileiro age para conter o avanço da moeda, que fechou na sexta-feira em queda de 0,40%, cotada a R$ 4,6340 para venda, interrompendo uma sequência de 12 altas seguidas. A instituição anunciou uma operação de swap cambial tradicional para esta segunda-feira – oferta de dólares no mercado futuro – no valor de até US$ 3 bilhões.

Na agenda de indicadores o destaque da semana fica por conta da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) e prévia em seis estados do Partido Democrata nos Estados Unidos. Por aqui, o mercado olha o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o Indice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) e a produção industrial do lado interno.

Além disso, os economistas ouvidos pelo Banco Central (BC) reduziram a estimativa para o crescimento da economia brasileira neste ano pela quarta vez seguida, passando e 2,17% para 1,99%. A inflação brasileira, por sua vez, passou de 3,19% para 3,20%.

Na política o presidente Jair Bolsonaro assinou com o governo americano um acordo no âmbito da defesa entre os países. Além disso, Bolsonaro voltou a defender os protestos marcados para o dia 15 de março.

CORPORATIVO

A Hypera Pharma reportou lucro líquido de R$ 238,8 milhões no quarto trimestre de 2019, queda de 23% ante igual período do ano anterior. O lucro líquido das operações continuadas diminuiu 20,4% no período e alcançou R$ 246,7 milhões.

A Hypera informou que prevê um lucro líquido de R$ 1,275 bilhão e a receita líquida entre R$ 4,250 bilhões e R$ 4,350 bilhões para 2020, valores 9,53% e 32,05% maiores que o visto em 2019, respectivamente.

A AES Tietê informou que em relação à oferta hostil (não solicitada) enviada pela Eneva, o conselho de administração da companhia solicitou à diretoria a contração de assessores financeiros para auxiliá-lo na análise de referida proposta.

O Carrefour Brasil disse que a executiva-chefe do Carrefour eBusiness Brasil, Paula Cardoso, deixará ao final de março para se dedicar a família e projetos pessoais. Com isso, o presidente do grupo, Noël Prioux, assumirá o cargo de forma interina até a definição de novo gestor.

A Oi, em recuperação judicial, disse que o juiz da 7a Vara Empresarial do Rio de Janeiro aceitou a proposta da companhia de uma em nova assembleia geral de credores, que tem o objetivo de um aditamento ao plano de recuperação para dar maior flexibilidade operacional e financeira para continuar seu projeto de investimento e o cumprimento do plano estratégico.

A operação acontecerá por meio de um credit and Guaranty Agreement junto ao Citibank, e a Embraer Aircraft Holding dará outorga de garantia irrevogável e integral ao contrato.

A Petrobras iniciou a fase vinculante da venda de sua participação em blocos exploratórios pertencentes às concessões BM-PAMA-3 e BM-PAMA-8, localizadas na Bacia do Pará-Maranhão.

Os acionistas da Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) aprovaram a aquisição de 100% da Rialma Transmissora de Energia. A empresa, contudo, não informou os valores ou detalhes da transação.