RADAR DO DIA: Debate nos EUA, pacote fiscal e vacina no Brasil

Mercados registram leve alta após debate mais ameno entre Trump e Biden. No Brasil, discussão sobre vacina contra o coronavírus ainda é tema recorrente

163

São Paulo  – Os mercados ao redor mundo abrem o dia com leve alta após o último debate presidencial entre Donald Trump e Joe Biden, que teve o pacote de estímulos como um dos principais temas.

Trump manteve o discurso adotado nas últimas semanas, acusando a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, de não aprovar uma ajuda de olho nas eleições. “Não temos uma nova rodada de ajuda porque Pelosi não quer, ela está de olho nas eleições e tem medo de perder o pleito com a aprovação de um novo pacote”, afirmou

Biden saiu em defesa da companheira de partido, afirmando que o pacote não
saiu por falta de vontade do governo. “As pessoas estão aí, precisando de
recursos para voltar ao trabalho; as empresas precisam voltar a funcionar e as crianças devem voltar às escolas, porém, com segurança”, afirmou.

Ontem, a presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, disse que ainda acredita na possibilidade de aprovação antes das eleições de 3 de novembro mesmo diante do impasse nas negociações com a Casa Branca.

No Brasil, a discussão continua em torno da aprovação da CoronaVac, a vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a China. O presidente Jair Bolsonaro voltou a repetir que não comprará a vacina.

Em âmbito político, o desembargador Kassio Nunes foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de ministro no Supremo Tribunal Federal (STF) após sabatina no Senado.

Na agenda do dia, investidores ficarão atentos aos PMIs de indústria e serviços nos Estados Unidos. No Brasil, o IPCA-15 deve ser observado.

Em âmbito corporativo, o total de energia vendida pela Equatorial Energia atingiu 5.961 gigawatts-hora (GWh) no terceiro trimestre, alta de 4,3% em comparação ao observado no mesmo período do ano anterior.

Em fato relevante, a JBS divulgou correspondência recebida do acionista, o fundo SPS, que apresenta esclarecimentos sobre o conteúdo da proposta da administração e da troca de correspondências entre a companhia e o BNDESPar, braço de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e que serão discutidas em assembleia geral extraordinária, em 30 de outubro.

O Instituto Aço Brasil (IABr) e outras 19 entidades representativas do setor do aço nas Américas, Europa, Ásia e África, fizeram um novo apelo para que os governos de países produtores de aço intensifiquem o trabalho para solucionar o problema do excesso de Capacidade de aço no mundo, estimada em 521 milhões de toneladas, no fórum global sobre o assunto.

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu da decisão do juiz substituto da 12 Vara Federal de Belo Horizonte referente à ação civil pública que trata do desastre do rompimento da barragem de Fundão, em 2015, de propriedade da mineradora Samarco, empresa controlada pela Vale e BHP Billiton. A empresa disse que não comentará o caso.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realizou uma ocupação na sede da Vale em Brumadinho (MG), em reação à reunião de conciliação entre o governo do Estado de Minas Gerais, a empresa e instituições de Justiça sem a participação dos atingidos.

O conselho de administração da Ecorodovias aprovou o pagamento de R$ 11 milhões em dividendos aos acionistas, correspondente a R$ 0,014931157 por ação ordinária da companhia, relativos ao exercício de 2019. O pagamento será realizado a partir da data da reunião do colegiado, realizada ontem.

O Tribunal Regional do Trabalho da 15 Região (TRT-15) condenou a LATAM por dispensa coletiva abusiva de 44 empregados que trabalhavam na unidade da empresa no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). A companhia disse que se manifestará nos autos do processo.