RADAR DO DIA: Dados de emprego dos EUA, IR e Febraban

São Paulo – As bolsas internacionais operam sem direção comum, mas perto da estabilidade, à espera dos dados sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos. A previsão é de que eles mostrem criação de 750 mil postos de trabalho no país em agosto.

A saúde do mercado de trabalho norte-americano é importante porque é um dos elementos que o banco central dos Estados Unidos, o Federal Reserve, usará para decidir quando começará a remover os estímulos à economia.

No Brasil, o clima no mercado financeiro é de tensão conforme se aproxima o feriado de 7 de setembro. Na data acontecerão manifestações a favor do governo federal e o presidente Jair Bolsonaro vai participar. O problema é que os eventos também estão associados a pedidos de destituição de ministros do STF, o que deve aumentar a tensão entre o Executivo e o Judiciário.

Além disso, os investidores ficaram insatisfeitos com a reforma tributária do imposto de renda, aprovada ontem na Câmara dos Deputados. O texto institui a cobrança de 15% de imposto sobre dividendos. Hoje estes rendimentos são isentos.

Ontem, a Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) divulgou nota reafirmando seu apoio ao manifesto “A Praça é dos Três Poderes”, que pede a harmonia entre os Poderes. A entidade também reforçou que respeita a opção do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, que se posicionaram contrariamente à assinatura do manifesto.

Em âmbito corporativo, a Engie Brasil iniciou a operação comercial de todas as onze centrais geradoras do conjunto eólico Campo Largo II, com entrada em operação das três últimas autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a partir de hoje. O complexo tem 361,2 megawatts (MW) de capacidade instalada total e está localizado em Umburanas (BA).

O grupo Fleury afirmou que a sua subsidiária integral, Fleury Centro de Procedimentos Médicos Avançados, realizou o fechamento das operações de aquisição de 100% das quotas de emissão do Laboratório Pretti e de 100% das quotas de emissão do Laboratório Bioclínico.

O leilão pela concessão dos serviços de saneamento básico da Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa) à iniciativa privada, promovido pelo Governo do Estado do Amapá, na B3, teve como vencedor o consórcio Marco Zero, liderado pela Equatorial, representado pelo Itaú, que ofertou o maior valor de outorga, de R$ 930,008 milhões, representando um ágio de 306,0%, e desconto de 20,00% sobre a tarifas.

A Equatorial Energia disse que a sua experiência na distribuição de energia poderá ajudar a gestão da concessão de saneamento do Amapá, mas não acha que poderá resultar em sinergias relevantes. A companhia fará uma teleconferência com investidores hoje, às 11h (horário de Brasília) para dar mais detalhes sobre a concessão.

Na opinião da Ativa Investimentos, a Equatorial confirmou seu favoritismo na disputa pela concessão de saneamento ofertada pelo governo do Estado do Amapá, mas pagou caro, considerando um investimento inicial de de R$ 1,81 bilhão que a companhia terá que fazer relativo ao pagamento da diferença entre a outorga e o valor mínimo da licitação.

A diretoria da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou a realização de consulta e audiência públicas sobre alteração na resolução ANP n 837/2021, que regulamenta a nominação de áreas por pessoas jurídicas da indústria de petróleo e gás natural.