Projeção de alta de PIB da eurozona cai para 1,2% em 2019

São Paulo – A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia (UE), revisou para baixo sua projeção de crescimento para a economia da zona do euro para este ano e o próximo, refletindo incertezas relacionadas a tensões comerciais globais e ao processo de saída do Reino Unido do bloco europeu, entre outros fatores.

A previsão para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro para este ano caiu para 1,2%, após a projeção de crescimento de 1,3% divulgada no relatório anterior, em fevereiro deste ano. Para 2020, a projeção passou de 1,6% para 1,5%. Para os países da UE, excluindo o Reino Unido, as estimativas também foram rebaixadas, passando de alta de 1,5% para 1,4% em 2019 e de 1,8% para 1,7% em 2020.

Segundo a Comissão, o crescimento econômico na UE está desacelerando diante do enfraquecimento da economia global e do comércio, em meio a um aperto global de condições de financiamento, a tensões comerciais não resolvidas, à incerteza alta e ao setor industrial mais fraco, o que começou no último trimestre do ano passado e se estendeu para o começo deste ano.

Na zona do euro, a desaceleração econômica é ainda mais profunda, uma vez que a região “não é apenas altamente dependente da demanda externa, mas também está sendo atingida por vários fatores setoriais e específicos de cada país, principalmente em sua maior economia, o que pesou sobre o sentimento, bem como sobre o comércio entre parceiros da zona do euro”, diz a comissão.

Tais fatos específicos incluem interrupções no setor de fabricação de automóveis, tensões sociais, incerteza política, bem como a incerteza relacionada ao Brexit, diz a UE.

A demanda doméstica, por outro lado, tem sido menos afetada, com o crescimento do emprego permanecendo resiliente. Segundo a comissão, “Combinado com salários crescentes, inflação moderada e medidas de apoio fiscal medidas em alguns Estados membros, a criação de emprego deve continuar a apoiar os gastos domésticos este ano e no próximo”.

Por fim, a Comissão espera que as incertezas sobre comércio recuem, ou pelo menos não aumentem; que a demanda global se torne gradualmente maior e que os fatores específicos que atualmente impedem o crescimento desapareçam. “Qualquer desvio desses pressupostos pode levar a uma   desaceleração persistente”.

Cristiana Euclydes

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com