Prévia da inflação ao consumidor tem a maior taxa desde 1995

235

São Paulo, 23 de outubro de 2020 – O Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) subiu 0,94% em outubro em relação a setembro, acelerando-se em relação à alta apurada no período anterior (+0,45%), segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da maior taxa para o mês desde 1995 (+1,34%). O resultado ficou acima da mediana das expectativas do mercado financeiro, de +0,82%, conforme o Termômetro CMA.

Com isso, o IPCA-15 acumula altas de 2,31% no ano e de 3,52% nos últimos 12 meses, até este mês. O resultado no período de 12 meses também ficou acima da mediana das estimativas, de +3,41%, ainda segundo o Termômetro CMA, ficando dentro do intervalo de tolerância perseguido pelo Banco Central para este ano pelo segundo mês seguido.

Segundo o IBGE, oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados aceleraram a alta ou apagaram a deflação em outubro, sendo que a maior variação (+2,24%) e o maior impacto (+0,45 ponto percentual) no IPCA-15 vieram do grupo Alimentação e Bebidas. Transportes também teve alta expressiva (+1,34%), sendo a segunda maior contribuição no resultado geral do indicador (+0,27pp). Na outra ponta, o único grupo a apresentar queda em outubro foi Educação (-0,02% e 0,00 pp).

Nessas classes de despesa, destaque para as altas em alimentos para consumo no domicílio (+2,95%), com a maior contribuição vindo das carnes (+4,83% e +0,13 pp). Também merecem atenção os aumentos em óleo de soja (+22,34%), arroz (+18,48%), tomate (+14,25%) e leite longa vida (+4,26%). No grupo Transportes, a alta foi impulsionada por passagens aéreas, com +39,90% e +0,13 pp de impacto no IPCA-15.

Quanto aos índices regionais, houve aceleração do indicador em todas as 11 regiões pesquisadas em outubro. O maior índice foi registrado na região metropolitana de Fortaleza (+1,35%), em meio à alta nos preços das carnes, do arroz e da gasolina, enquanto o menor ficou com a região metropolitana de Salvador (+0,43%), em função da queda da gasolina na região. Em São Paulo, o IPCA-15 passou de +0,44% no mês passado para +0,96% neste mês.

O IPCA-15 é calculado com base em famílias com rendimentos de 1 a 40 salários e que vivem nas principais regiões metropolitanas do país, além de Brasília e Goiânia. Para o cálculo do indicador, os preços foram coletados no período de 12 de setembro a 13 de outubro.