Prejuízo da Latam no 2T20 soma US$ 890 milhões devido à queda nas operações

128
Um dos aviões da companhia aérea Latam Airlines em São Paulo. / Foto: Wikimedia Commons

São Paulo — O prejuízo líquido da Latam Airlines somou US$ 890,04 milhões no segundo trimestre, ante uma perda de US$ 62,8 milhões um ano antes, pressionado principalmente por uma ampla redução nas operações devido à pandemia de covid-19. A receita operacional da companhia caiu 75,9% na mesma base de comparação, para US$ 571,8 milhões.

Segundo a Latam, houve uma redução de 93,9% nas receitas de passageiros, explicada por uma redução de 93,7% na capacidade. A queda nas receitas de passageiros foi parcialmente compensada por um aumento de 18,4% nas receitas de carga, uma vez que as operações de cargueiros aumentaram 28,0%, respondendo à forte demanda por serviços de carga durante a pandemia.

A empresa iniciou o trimestre operando com 3,3% da capacidade do ano anterior, com média de 6,3% durante o trimestre e aumentando para 9,2% em julho. Isso se deve principalmente ao fechamento de fronteiras e às restrições de viagens dentro dos países latino-americanos e de países latino-americanos aos Estados Unidos e à União Europeia, que foram estendidas mais do que o inicialmente previsto.

As despesas operacionais totais diminuíram 45,6% durante o segundo trimestre para US $ 1,266 bilhões, refletindo as menores operações para passageiros devido à pandemia e os esforços que a LATAM tem feito para reduzir seus custos fixos.

“As reduções incluíram cortes salariais voluntárias de 50% dos funcionários de todas as companhias aéreas afiliadas durante o segundo trimestre, bem como aposentadorias antecipadas, licenças não remuneradas e dispensas”, afirmou a companhia.

Durante o trimestre, a empresa entrou com vários pedidos de recuperação judicial em diversos lugares. Em 26 de maio de 2020, à luz dos efeitos do covid-19 na indústria de aviação mundial, a Latam e suas afiliadas no Chile, Peru, Colômbia, Equador e Estados Unidos entraram com pedido de proteção voluntária nos termos das lei de reorganização financeira do Capítulo 11 dos Estados Unidos.

Em 16 de junho, a Latam Airlines Brasil e a Azul Brazilian Airlines anunciaram um acordo de codeshare para conectar rotas em suas respectivas redes domésticas no Brasil. As duas operadoras também assinaram um acordo de passageiro frequente, permitindo que 12 milhões de membros do TudoAzul e 37 milhões de Latam Pass ganhem pontos no programa de passageiro frequente de sua escolha.

Um dia depois, 17 de junho, a Latam Airlines Argentina anunciou o encerramento de suas operações por tempo indeterminado devido às atuais condições da indústria local, agravadas pela pandemia, que inviabilizaram a sustentabilidade da operação.

Já em 9 de julho, a LATAM Airlines Brasil protocolou e tornou-se um devedor adicional sob a proteção do Capítulo 11 do Grupo Latam Airlines e suas afiliadas.

Ao final do trimestre, a dívida financeira da Latam totalizou US$ 6,8 bilhões, uma redução de US$ 803,6 milhões em relação ao trimestre anterior.

A empresa também reportou que possuía US$ 1,422 bilhão em caixa e equivalentes, incluindo certos investimentos de alta liquidez contabilizados como outros ativos financeiros circulantes. Entre março e abril de 2020, a empresa sacou a totalidade dos US$ 600 milhões na linha de crédito rotativo.