Powell diz que apoio fiscal adicional ajudará economia a superar crise

125

São Paulo – O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, defendeu uma nova rodada de apoio fiscal para ajudar a economia dos Estados Unidos a enfrentar a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus em um momento no qual os casos seguem aumentando no país e medidas mais duras de isolamento são introduzidas.

“Um apoio fiscal adicional ajudará a economia a superar o momento difícil. O inverno está chegando, os casos estão aumentando e, provavelmente, empresas terão que reduzir suas atividades ou suspendê-las. As pessoas podem ficar sem emprego por mais tempo. O apoio fiscal adicional certamente ajudaria a economia a atravessar esse momento”, afirmou ele durante audiência no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados.

Participando da mesma audiência, o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, concordou com Powell sobre a necessidade de uma rodada extra de ajuda e indicou que o pacote não foi liberado ainda diante do posicionamento da presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi.

“Infelizmente Pelosi adotou uma posição de tudo ou nada sobre as áreas que receberiam a ajuda e, por isso, o pacote não saiu no passado. Eu acredito que é melhor algum alívio do que alívio nenhum”, disse Mnuchin. “Por isso defendo recursos pelo menos para o programa de proteção ao pagamento e chamo o Congresso a aprová-lo o mais rápido possível”, acrescentou.

O secretário do Tesouro quer um pacote de estímulos direcionado. Neste sentindo, ele defendeu uma nova rodada de ajuda às companhias aéreas. “Acho que podemos ajudar as companhias aéreas nos mesmos moldes do pacote anterior”, afirmou ele, referindo-se a uma ajuda de US$ 250 bilhões dada ao setor pelo governo norte-americano.

Ontem, Mnuchin confirmou que retomaria as negociações sobre um novo pacote de estímulos com a presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi. As conversas devem girar em torno de uma proposta bipartidária de US$ 908 bilhões que prevê ajuda a empresas, desempregados, famílias e estados e municípios.