Pompeo confirma saída dos EUA de esforços da OMS para vacina contra covid-19

139
O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, em coletiva / Foto: Departamento de Estado norte-americano

São Paulo – Os Estados Unidos não farão parte de um programa global para desenvolver uma nova vacina contra a covid-19 porque, segundo o secretário de Estado norte-americano, a iniciativa é liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Não há nação que tenha estado ou esteja tão profundamente comprometida com a distribuição de vacinas em todo o mundo como os Estados Unidos, não apenas em termos de dólares. Vamos superar todas as nações em termos de recursos financeiros para dar nosso dinheiro para garantir que essas vacinas sejam distribuídas em todos os lugares. Nenhuma nação se igualará a nós; nem se aproximar”, disse Pompeo em coletiva de imprensa.

“Mas também é imperativo que, quando fizermos isso, que seja de uma forma que seja eficaz, que não seja política, que seja baseada na ciência. E o que vimos demonstrado pela Organização Mundial da Saúde é que não é isso”, acrescentou.

Mais de 170 países estão discutindo a criação de um Centro de Acesso Global de Vacinas COVID-19 (Covax) para acelerar o desenvolvimento e teste de uma nova vacina e fabricá-la e distribuí-la aos setores de maior risco em todas as nações, segundo matéria publicada ontem pelo Washington Post.

O plano é liderado pela OMS, a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (Cepi) e a aliança de vacinas Gavi e é apoiado por Japão e Alemanha e Comissão Europeia.

Os Estados Unidos deixaram de fazer parte da OMS no início do ano sob o argumento de que a organização ajudou a China a ocultar informações sobre a origem da covid-19, descoberta em dezembro na cidade chinesa de Wuhan.