PMI industrial do Brasil sobe em maio e indica moderação na inflação

São Paulo – O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) sobre a atividade industrial do Brasil subiu para 53,7 pontos em maio, de 52,3 pontos em abril, segundo dados divulgados pela IHS Markit. A leitura, superior a 50 pontos, sugere que o setor está em expansão.

De acordo com a pesquisa, mesmo com o aumento dos casos de covid-19 e das consequentes medidas adotadas para conter a disseminação da doença, as empresas do setor industrial relataram “aumento modesto” nas vendas, ampliaram a produção e as contratações e compraram mais insumos.

Ao mesmo tempo, as indústrias também observaram moderação nas taxas de inflação dos preços de matérias-primas e da produção, embora as taxas sigam mais acentuadas do que qualquer outra observada desde o início do ano 2000, desconsiderando o período da pandemia.

Segundo a diretora associada de Economia da IHS Markit, Pollyanna de Lima, “é encorajador ver a rapidez com que o setor industrial se recuperou da recente queda relacionada à nova onda de casos de covid-19. As taxas de expansão no índice de novos pedidos e de produção foram modestas, na melhor das hipóteses, mas houve uma recuperação sólida nos postos de trabalho nas fábricas e no otimismo dos negócios”.

“Os membros da pesquisa novamente esperavam que a disponibilidade de vacinas melhorasse nos próximos meses, limitando a propagação da doença e promovendo o crescimento da produção. Várias empresas planejam lançar novos produtos e aumentar o investimento”, acrescentou.

“Os problemas da cadeia de suprimentos permaneceram atuais, com muitas empresas sinalizando atrasos graves no recebimento dos itens comprados. Afunilamentos nas empresas de logística global, junto com a depreciação do real, também levaram a outro aumento acentuado nos custos de insumos sem precedentes antes da pandemia.”

“Os fabricantes dividiram parte dos custos adicionais com os clientes elevando ainda mais seus encargos. Embora isso seja esperado, uma vez que as empresas protegem as margens dos aumentos de custos, a demanda pode sofrer um impacto nos próximos meses. Em particular, qualquer ganho de competitividade internacional devido à fraqueza do real pode ser apagado”, avaliou.