PIB dos EUA cai 31,7% no segundo trimestre

249
Foto: Paula Brewer / freeimages.com

São Paulo – O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos caiu 31,7% no segundo trimestre em relação ao trimestre anterior, em base anualizada, uma desaceleração ante o primeiro trimestre, quando houve redução de 5,0%. Os dados são da segunda leitura divulgada pelo Departamento de Comércio do país.

A primeira leitura mostrava uma queda maior, de 32,9%. A estimativa dos analistas para a segunda leitura era de queda de 32,4%.

Segundo o Departamento de Comércio, “o declínio no PIB do segundo trimestre refletiu a resposta à covid-19, quando ordens de ‘ficar em casa’ emitidas em março e abril forma parcialmente retiradas em algumas áreas do país em maio e junho, e pagamentos de assistência pandêmica do governo foram distribuídos a famílias e empresas”.

“Isso levou a rápidas mudanças de atividade, pois as empresas e as escolas continuaram o trabalho remoto e os consumidores e as empresas cancelaram, restringiram ou redirecionaram seus gastos”, de acordo com o departamento.

Houve reduções no PCE, exportações, investimento fixo não residencial, investimento em estoque privado, investimento fixo residencial e gastos do governo estadual e local que foram parcialmente compensados por um aumento nos gastos do governo federal. Importações, que são uma subtração no cálculo do PIB, diminuíram.

Os gastos pessoais com consumo tiveram queda de 34,1% no segundo trimestre em base anualizada (revisão de +0,5 pp), após a baixa de 6,9% no primeiro trimestre. Os investimentos perderam ainda mais força, passando de queda de 9,0% para baixa de 46,2% (revisão de +2,8 pp), e os gastos públicos cresceram 2,8% (+0,1 pp), após alta de 1,3% no primeiro trimestre.

O índice de preços para os gastos pessoais (PCE), usado pelo banco central norte-americano como referência para inflação, caiu 1,8% no segundo trimestre em base anualizada (revisão de +0,1 pp), após alta de 1,3% no primeiro trimestre. O núcleo do PCE, que exclui do cálculo preços de alimentos e energia, teve queda de 1,0% (revisão de +0,1 pp), após aumento de 1,6% nos três meses anteriores.