PIB da China deve cair 9% no 1º tri, diz Goldman Sachs

341
Foto: Freeimages.com/ Gary Tamin

São Paulo – O Goldman Sachs reduziu a previsão para o crescimento da economia da China em 2020 para 3,0%, de 5,5% anteriormente, e passou a prever contração de 9% no Produto Interno Bruto (PIB) do país no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano anterior. Antes, a estimativa era de que nos três primeiros meses de 2020 a economia da China cresceria 2,5%.

A revisão das estimativas foi divulgada depois que a China divulgou os dados mais recentes sobre a produção industrial, as vendas no varejo e os investimentos no país. Segundo o Goldman Sachs, os resultados publicados pelo governo surpreenderam porque “estão em linha com indicadores de alta frequência e não mostram o grau de suavização que historicamente se observa tanto por acadêmicos quanto por nós em períodos de fraqueza econômica.”

O Goldman Sachs também prevê que no segundo trimestre a economia chinesa crescerá 1,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, acelerando o ritmo de crescimento para 7,5% no terceiro trimestre e para 9,8% no quarto trimestre. Antes, o banco previa expansões de, respectivamente, 5,3%, 6,9% e 6,8%.

“Embora tenha sido reportado que o Covid-19 está amplamente sob controle na China, com a ajuda de estritos controles de atividade desde o final de janeiro, a rápida disseminação do vírus fora da China e deterioração na perspectiva de crescimento de outros países pode restringir o quanto a atividade chinesa pode se recuperar no segundo trimestre”, disse o Goldman Sachs.

“Na verdade, nossos colegas agora esperam contração econômica nos Estados Unidos, na zona do euro e no Japão no segundo trimestre”, disse o banco. “Presumindo que o Covid-19 esteja sob controle mundialmente até o terceiro trimestre que as políticas monetária e fiscal acomodativas adotadas por bancos centrais e governos gerem impulsos positivos ao crescimento, esperamos crescimento acima da tendência média na China no terceiro e no quarto trimestre”, afirmou o banco.

“No entanto, mesmo com uma recuperação robusta no segundo semestre, nosso crescimento anual projetado para o PIB chega apenas a 3,0% por causa do significativo choque doméstico no primeiro trimestre e globalmente no segundo trimestre. Caso se concretize, este seria o menor crescimento anual do PIB na China desde 1976 e corresponderia à maior desaceleração anual desde a crise financeira global.”