PF deflagra operação contra fraudes na Eletronuclear; ex-ministro é alvo

195
Divulgação: Polícia Federal

São Paulo – A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta manhã, a Operação Fiat Lux, que tem o objetivo de investigar fraudes em contratos da Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras, responsável pelas usinas nucleares de Angra 1 e 2.

Segundo informações da imprensa, o ex-ministro de Minas e Energia no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, entre 2005 e 2007, Silas Rondeau é um dos alvos da operação que é um desdobramento da Operação Lava Jato.

O juiz Marcelo Bretas, responsável pela operação no Rio de Janeiro, expediu 17 mandados de busca e apreensão e 12 de prisão temporária, no próprio Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal.

De acordo com a PF, o esquema investigado é mais uma etapa que visa atingir os responsáveis por contratos fraudulentos e pagamento de propina na Eletronuclear, que não foram abrangidos pelas operações Radioatividade, Irmandade, Prypiat e Descontaminação.

A investigação teve como base a colaboração premiada dos lobistas Jorge Luz e o filho, Bruno, ambos ligados PMDB, atual MDB. Luz foi preso em 2017, por ordem da 13 Vara Federal de Curitiba (PR), que tinha como responsável o ex-juiz Sergio Moro.

Em comunicado, a Eletrobras afirmou que tomou conhecimento da operação pela imprensa e que está acompanhando o assunto e manterá o mercado informado.