Petrobras atinge mais de R$ 3 bilhões em negociações na B3

Foto: Divulgação/Petrobras

São Paulo – Com a elevação da recomendação do JP Morgan para a Petrobras nesta sexta-feira já foram negociadas 100 milhões de ações da estatal, com um volume de R$ 3 bilhões e o maior comprador é o próprio banco.

Segundo o analista José Costa Gonçalves, da Codepe Corretora, o JP Morgan comprou 10 milhões em papéis da Petrobras, o que representa 10% do volume negociado na Bolsa ou seja um volume de US$ 50 milhões.

“O volume negociado pode chegar a R$ 3,5 bilhões”, acrescentou o analista.

As ações da Petrobras ficaram entre as maiores altas do Ibovespa nessa sexta, após o JP Morgan elevar a recomendação da Petrobras para “overweight” (que indica desempenho superior ao do seu índice de referência), de neutra, e os preços-alvo a R$ 35,00, devido a menor percepção de risco com a nova administração, manutenção da estratégia da gestão anterior e melhor perspectiva de dividendos.

No fechamento do pregão, os papéis PETR3 e PETR4 fecharam com crescimento de 5,66% e 4,05%, a R$ 26,68 e R$ 26,96, após passar o dia no topo do índice.

“Não apenas a nova equipe de gestão manteve a direção estratégica (compromisso de focar no pré-sal, disciplina de capital, portfólio gestão, controle de custos e segurança), mas também mostrou continuidade na ação”, disseram os analistas, em relatório.

O avanço da venda das refinarias e a promoção dos principais executivos de carreira apoiam a ideia de continuidade e, portanto, de menor risco.

No entanto, a análise considera a manutenção da política de paridade um ponto-chave a observar, já que o discurso do novo comando tem sido de manutenção dessa política, mas que também devem observar os impactos do Brent e do dólar nessa equação.

“Continuamos a assumir conservadoramente que apenas metade de qualquer variação no preço do câmbio e do Brent é repassada para os preços em caos de alta, enquanto 100% é passado na queda”, disseram os analistas Rodolfo Angele, Ricardo Rezende e Lucas Yang.

Mais cedo, o Credit Suisse apontou que as ações ordinárias (ON) da Petrobras estão sendo negociadas, atualmente, com desconto de 2,5% na comparação com as preferenciais (PN).

Em relatório, os analistas do banco disseram que o patamar indica mais de um desvio padrão em relação da média de longo prazo, entre 2005 e 2021, de prêmio de 10% e mesmo de um período mais recente, entre 2019 e 2021, de 5% de prêmio.