Petrobras assina contrato de afretamento para Mero 3

304
Foto divulgação: Petrobras

São Paulo – A Petrobras assinou na sexta-feira (14) carta de intenção com a MISC Berhad para afretamento e prestação de serviços do navio-plataforma Marechal Duque de Caxias, a ser instalado no campo de Mero, pertencente ao Bloco de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos.

A iniciativa é parte do desenvolvimento da produção da Petrobras na porção sul da Bacia de Santos, onde está localizado o Projeto Mero 3. O Marechal Duque de Caxias será a terceira unidade FPSO (Floating Production, Storage and Offloading, navios-plataforma utilizados na produção, armazenagem e transporte de petróleo e gás) a ser instalada no campo de Mero e terá capacidade de processamento de 180 mil barris de óleo e 12 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

Os contratos de afretamento e de serviços terão duração de 22 anos e meio, contados a partir da aceitação final da unidade, prevista para o primeiro semestre de 2024.

O projeto prevê a interligação de 15 poços ao FPSO, sendo 8 produtores de óleo e 7 injetores de água e gás, através de uma infraestrutura submarina composta por dutos rígidos de produção e injeção, dutos flexíveis de serviços e umbilicais de controle.

O consórcio de Libra pretende realizar na área de Mero 3, pela primeira vez, um teste-piloto da tecnologia de separação em alta pressão (Hisep, em inglês), desenvolvida e patenteada pela Petrobras, que consiste em separação e reinjeção submarina, por meio do uso de bombas centrífugas, de boa parte do dióxido de carbono produzido junto com o petróleo, permitindo “desafogar” a planta de processamento de petróleo no FPSO e consequentemente possibilitando o aumento da produção de óleo.

O Hisep atualmente está em fase de definição e de testes. Após a qualificação, um piloto poderá ser instalado em Mero 3 para realizar testes de mais longo prazo e avaliar a tecnologia.

O campo de Mero é o terceiro maior do pré-sal e está localizado na área de Libra, operada pela Petrobras (40%) em parceria com a Shell (20%), Total (20%), CNODC (10%), CNOOC Petroleum (10%) e Pré-Sal Petróleo S.A.(PPSA), que exerce papel de gestora desse contrato.