Otimismo para 2021 é moderado por alta de casos de covid-19, diz Fed

86
Edifício do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) / Foto: Fed

São Paulo – A perspectiva de vacinas contra a covid-19 reforçou o otimismo para o crescimento econômico dos Estados Unidos em 2021, embora tenha sido moderado pela preocupação com o recente ressurgimento de casos e as implicações para as condições de negócios de curto prazo, segundo o Livro Bege, relatório do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) sobre as 12 principais regiões do país.

O documento, que avaliou as condições econômicas antes de 4 de janeiro, apontou ainda que, na maioria dessas regiões, a atividade cresceu modestamente, embora as condições permanecessem variadas: dois distritos relataram pouca ou nenhuma mudança na atividade, enquanto dois outros notaram um declínio.

O Livro Bege mostrou ainda alguma expectativa com relação ao apoio fiscal, que inclui pagamento diretos para as famílias norte-americanas. “Os contatos bancários observaram pouca ou nenhuma mudança nos volumes de empréstimos, com alguns antecipando uma demanda mais forte dos mutuários nos próximos meses por novos programas de empréstimos apoiados pelo governo”, diz.

Sobre o consumo, os relatos são de gastos mistos, em grande parte diante do impacto do aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos. Até por isso, no período avaliado, houve uma transição mais significativa para compras on-line no final do ano.

“Alguns distritos notaram quedas nas vendas do varejo e na procura de serviços de lazer e hospitalidade, em grande parte devido ao recente aumento de casos COVID-19 e medidas de contenção mais rigorosas. A maioria dos distritos relatou uma intensificação da mudança contínua das compras pessoais para as vendas online durante a temporada de férias”, diz.

Entre os setores, o documento mostra que a atividade de manufatura continuou a se recuperar em quase todos os distritos, apesar dos relatos crescentes de desafios na cadeia de abastecimento. A atividade imobiliária residencial permaneceu forte, mas os relatos de condições fracas nos mercados imobiliários comerciais persistiram.