Oracle confirma que faz parte de proposta de TikTok ao Tesouro dos EUA

107
tiktok, celular
O aplicativo chinês TikTok é um dos mais populares no mundo/ Créditos: Pixabay

São Paulo – A Oracle confirmou que seu nome foi submetido pela chinesa ByteDance, controladora do aplicativo de compartilhamento de vídeos TikTok, para servir como “provedor de tecnologia confiável” da empresa nos Estados Unidos.

“A Oracle confirma a declaração do secretário Mnuchin de que faz parte da proposta apresentada pela ByteDance ao Departamento do Tesouro no fim de semana em que a Oracle atuará como o provedor de tecnologia confiável. A Oracle tem um histórico de 40 anos no fornecimento de soluções de tecnologia seguras e de alto desempenho”, diz a empresa, em um comunicado breve.

A declaração veio após o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, afirmar hoje mais cedo que o governo vai revisar esta semana a proposta da Oracle, selecionada pela ByteDance em detrimento da oferta feita pela Microsoft.

“Recebemos uma proposta no fim de semana que inclui Oracle como parceiro de tecnologia representante confiável, com a Oracle fazendo muitas representações de questões de segurança nacional”, disse Mnuchin, em entrevista à “CNBC”.

“Também há um compromisso de criar a TikTok Global como uma empresa com sede nos Estados Unido e gerar 20 mil novos empregos”, afirmou, acrescentando que a proposta será revisada esta semana e uma recomendação será feita ao presidente do país, Donald Trump.

“Não quero entrar em detalhes das negociações”, disse ele. “Temos muita confiança na Microsoft e na Oracle, eles escolheram a Oracle, vamos revisar isso com suas equipes técnicas e nossas equipes técnicas para ver se eles podem fazer as representações que precisamos”.

Por fim, Mnuchin disse que a TikTok tem até 20 de setembro para vender as operações nos Estados Unidos para uma empresa norte-americana, ou terá que deixar o país. O governo de Trump acusa a TikTok de roubar dados de cidadãos norte-americanos e os repassar para o governo chinês. A empresa e Pequim negam as acusações.