OMS descarta relação entre vacina da AstraZeneca e formação de coágulos

Bandeira com o símbolo da Organização Mundial da Saúde (OMS). (Foto: Missão dos EUA/Eric Bridiers)

São Paulo – A Organização Mundial da Saúde (OMS) descartou qualquer relação entre a vacina conta a covid-19 produzida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford e a formação de coágulo sanguíneo em pessoas inoculadas.

“Há uma série de comitês e agências reguladoras analisando os dados, que chegam todos os dias, para uma avaliação. Até o momento, não há nenhuma ligação entre a vacina e os casos de trombose”, disse o diretor do Departamento de Regulação e Pré-qualificação da OMS, Rogério Gaspar, em coletiva de imprensa.

“O que podemos dizer é que a avaliação que temos no momento, e que está sendo considerada pelos especialistas, é que o risco-benefício da vacina ainda é amplamente positivo”, acrescentou.

Vários países europeus, incluindo Alemanha, França e Suécia, além do Canadá, têm limitado o uso da vacina da AstraZeneca em pessoas mais jovens enquanto investigam relatos de formação de coágulos sanguíneos. O Canadá parou de ministrar o imunizante em pessoas com menos de 55 anos, enquanto a Alemanha parou de usar as doses em pessoas com menos de 60 anos.

A Agência Europeia de Medicamentos está revendo os casos, mas diz que os benefícios da vacina superam os riscos. Em nota de 14 de março, a AstraZeneca disse que o número de casos de coágulos sanguíneos nos 17 milhões de pessoas vacinadas no Reino Unido e na União Europeia naquela época era menor do que seria esperado na população em geral.