Nova fase de acordo de EUA com China pode vir antes de eleições

208
O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin. Foto: Stephen Jaffe/ FMI

São Paulo – A segunda fase do acordo comercial entre os Estados Unidos e a China pode ser concluída antes de novembro deste ano, ainda que não tenha um prazo definido, disse o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

“Lidamos com muitas questões importantes na primeira fase”, disse Mnuchin, ao participar do painel “Testando a resiliência econômica dos Estados Unidos”. Ao ser questionado sobre a segunda fase, ele disse: “se fizermos isso antes da eleição, bom. Se não, tudo bem. Não há prazo”.

Mnuchin também defendeu a aplicação de tarifas à China. “Elas são um grande incentivo para a China continuar negociando”, disse o secretário. “É sobre um comércio livre, justo e equilibrado. Isso é bom para nós e bom para eles”.

Segundo Mnuchin, a desaceleração global não foi criada por questões comerciais, e o Produto Interno Bruto (PIB) é apenas uma medida de crescimento. “Há coisas que impactam o PIB que são eventos únicos”, disse, citando que está focado no que fez com o emprego, salários e gastos dos consumidores.

Ele disse ainda que as projeções para 2020 são positivas, destacando que as empresas se sentem bem e que o acordo comercial com a China e o Acordo Estados Unidos México Canadá (USMCA, na sigla em inglês) terão impactos. Em 2019, o PIB “poderia facilmente ser 3% se os fatos fossem diferentes”. Ele se recusou a comentar a política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).