Não é prudente reduzir os juros sem ter certeza que a inflação está caindo, diz Mester

157
A presidente da unidade do Fed de Cleveland, Loretta Mester // Crédito: Reprodução You Tube

A presidente do Fed Cleveland, Loretta Mester, em um evento no Ohio Bankers League hoje (6) mais cedo, falou sobre a força da economia norte-americana e acha que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) não deveria baixar os juros até ter certeza de que a inflação vem caindo de forma sustentável.

Um dos fatores que mostram a força da economia é o gasto dos consumidores, que continua forte. “Espero que os gastos das famílias se moderem um pouco este ano. Em meio a preços altos, muitas famílias, especialmente aquelas com rendas mais baixas, gastaram as economias acumuladas durante a pandemia. Houve um aumento na dívida com cartão de crédito, sugerindo que algumas famílias esgotaram seus saldos de caixa disponíveis. As inadimplências em empréstimos ao consumidor também aumentaram, embora ainda estejam em níveis baixos”.

Sobre o mercado de trabalho, Mester falou que ele continua forte, mas que em alguns setores, há sinais de moderação. “O relatório do mercado de trabalho da última sexta-feira mostra que o mercado de trabalho tem sido notavelmente resiliente. Outros indicadores apontam para alguma moderação no mercado de trabalho. Agora, há cerca de 1,5 vagas por trabalhador desempregado”.

Por conta disso, o crescimento dos salários apresenta crescimento mais equilibrado. “As estimativas atuais do crescimento da produtividade sugerem que o nível atual do crescimento dos salários ainda está um pouco acima do nível consistente com uma inflação de 2%. Mas as leituras recentes fortes sobre produtividade levantam a possibilidade de que o crescimento da produtividade tenha aumentado desde antes da pandemia”.

A inflação, segundo Mester, vem caindo de forma mais rápida do que o previsto. “A inflação diminuiu mais rapidamente do que o esperado no ano passado, mesmo com a economia permanecendo forte. Medido ano após ano, até dezembro, a inflação total do PCE é de 2,6% e a inflação do núcleo do PCE é de 2,9% por cento. Nos últimos seis meses, os níveis são ainda mais baixos. Outras medidas de inflação, incluindo as medidas de mediana e de corte médio, também diminuíram de seus picos”.

Ainda assim, para manter a prudência, segundo ela, os juros devem permanecer onde estão. “O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) julga que os riscos para alcançar seus objetivos de emprego e inflação estão se equilibrando melhor, mas continua altamente atento aos riscos de inflação. O Fomc não espera que seja apropriado reduzir a faixa-alvo até que tenha ganho maior confiança de que a inflação está se movendo sustentavelmente em direção a 2%”.

“Seria um erro reduzir as taxas muito cedo ou muito rapidamente sem evidências convincentes de que a inflação está se movendo sustentavelmente em direção a 2%. Reduzir as taxas muito cedo pode significar que a inflação permanece persistentemente acima de 2% e que as expectativas de inflação se desancoram. Isso poderia forçar o Fomc a aumentar as taxas de forma mais agressiva, arriscando empurrar a economia para uma recessão. E reduzir as taxas muito rapidamente também pode ser um erro. Em vez de ajudar a aliviar as pressões inflacionárias, isso poderia intensificá-las, levando a uma inflação mais alta e mais persistente”, acredita.

Dessa forma, os juros devem ser mantidos como estão, especialmente por conta da força da economia norte-americana. “O mercado de trabalho está muito forte e a inflação está diminuindo, embora ainda esteja acima de nossa meta de estabilidade de preços. O progresso em direção a esse objetivo é crucial para garantir que a inflação permaneça ancorada em 2% para garantir a estabilidade de preços e emprego máximo. Essa é a chave para uma economia forte e sustentável que beneficie todos os americanos”, conclui.