Mudança climática é grande crise além de covid-19, diz Von der Leyen

Foto: Pexels

São Paulo – A mudança climática é a grande crise global além da covid-19, e depois da pandemia não será possível voltar ao uso da energia como era antes, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao participar do Diálogo de Transição Energética de Berlim.

“A mudança climática é a massiva crise além da covid-19. Portanto, após a pandemia, não pode haver retrocesso. Sem retorno à atividade econômica baseada em combustíveis fósseis, em detrimento do clima e da natureza”, disse a chefe do executivo da União Europeia (UE).

“Queremos conciliar a forma como produzimos e fazemos negócios com a saúde do nosso planeta. É hora de fazer isso. Porque o que é bom para o planeta é bom para os negócios e para todos nós”, afirmou. “A transição energética está no cerne do nosso Pacto Ecológico Europeu”.

Segundo ela, o Pacto Ecológico tornou-se ainda mais importante hoje do que antes da pandemia. Von der Leyen ressaltou que há pouco mais de um ano, a Europa anunciou a meta de se tornar o primeiro continente neutro para o clima até 2050, e que em dezembro os líderes da UE concordaram com uma meta de redução de emissões de gases de efeito estufa de pelo menos 55% até 2030.

“Esperamos que a primeira Lei Climática Europeia entre em vigor em breve. E tudo isso faz parte do nosso compromisso de cumprir o Acordo de Paris”, disse a chefe da UE.

A Comissão Europeia também apresentará um Mecanismo de Ajuste de Fronteira de Carbono, impondo uma taxa de CO2 a certos produtos que entram na União Europeia. “Trabalhamos muito para reduzir nossas emissões”, disse Von der Leyen.

“Essas são metas ambiciosas, mas também realistas”, afirmou. Segundo ela, um terço dos investimentos do plano de recuperação, a Próxima Geração da UE, financiará as metas estabelecidas no Pacto Ecológico. “Juntamente com o orçamento da UE, estamos investindo 1,8 trilhão de euros”.

Por fim, ela defendeu uma modernização sistêmica da economia, sociedade e indústria. “Trata-se de construir um mundo melhor para se viver. Vamos trabalhar nisso juntos”, concluiu.