Moody's afirma nota de crédito da Embraer em Ba2 e muda perspectiva para estável

665
Foto divulgação: Embraer

São Paulo – A agência de classificação de risco Moody’s afirmou o rating corporativo da Embraer em Ba2, o rating de dívida sênior sem garantia, e os ratings Ba2 das notas sênior sem garantia emitidas pela Embraer Overseas Limited e Embraer Netherlands Finance BV e garantidas pela Embraer. A perspectiva para todos os ratings foi alterada para estável de negativa.
“A mudança na perspectiva reflete a melhoria contínua nas métricas de crédito relacionadas a uma recuperação gradual das condições de mercado, desempenho operacional e carteira de pedidos, e a melhora na posição de liquidez da empresa após a recente venda de ativos em Portugal, as iniciativas para reduzir sua queima de caixa e a combinação de negócios e posterior IPO da sua operação de aeronaves elétricas Eve, que mitiga os riscos que poderiam desencadear uma ação de rating negativa no curto prazo”, disse a Moody’s, em nota.
O rating Ba2 continua a refletir sua sólida posição de liderança na fabricação de jatos regionais, boa liquidez e um perfil de vencimento de dívida gerenciável, disponibilidade de captação de recursos junto aos bancos públicos brasileiros e ativo estratégico para o Governo do Brasil, que detém uma golden share na companhia com direito de veto. A classificação é restrita à a natureza cíclica do negócio de aviação e ao aumento da concorrência.
ganhos significativos e erosão do fluxo de caixa durante a pandemia, é uma restrição de classificação adicional que é parcialmente mitigada por índices de alavancagem líquida adequados. O desempenho financeiro e o balanço patrimonial da Embraer foram severamente atingidos pelo impacto da pandemia de coronavírus na demanda por novas aeronaves comerciais e executivas em 2020, com uma recuperação mais sustentada provavelmente apenas em 2022-2
A Moody’s espera que a alavancagem bruta ajustada da Embraer diminua para 7-6 vezes até o final de 2022 e para 6-5 vezes em 2023, de cerca de 9 vezes em 2021 e 19,1 vezes em 2020, quando as métricas de crédito foram prejudicadas por entregas mais baixas relacionadas à pandemia e a dívida adicional levantada pela empresa para cobrir suas necessidades de caixa.
“A recuperação virá em função de maiores entregas de aeronaves no segmento comercial, demanda firme por contratos de serviços e suporte, jatos executivos e maior rentabilidade nos negócios de defesa e segurança com o início da comercialização da aeronave KC-390. Apesar da potencial volatilidade nos contratos existentes com o governo brasileiro, a carteira de pedidos da Embraer continuará a crescer com pedidos adicionais no segmento de aviação comercial, como ilustrado pelo acordo recentemente anunciado com a Azorra para até 50 aeronaves E190-E2 ou E195-E2 no valor de US$ 3,9 bilhões com base em preços de tabela, dos quais US $ 1,6 bilhão estão firmemente comprometidos”, estima a agência.
O perfil de liquidez da empresa também melhorará com os recursos da venda de ativos e a entrada esperada relacionada à combinação de negócios da Eve em 2022, o que ajudará a reduzir os índices de alavancagem líquida para menos de 3x em 2022-23, de cerca de 4 vezes em 2021.
A agência também acredita que o fluxo de caixa da Embraer também se beneficiará de sua estratégia de redução de consumo de caixa por meio de ganhos de eficiência, como melhor gestão de estoques, redução do ciclo de produção de aeronaves em mais de 35% até 2022 e otimização dos investimentos para responder às condições do mercado, como ilustrado pelo adiamento da entrada do jato 175-E2 de 2022 para 2024 devido a limitações da cláusula de escopo do contrato piloto nos Estados Unidos.