Moagem de cana sobe 5,06% na primeira quinzena de outubro, a 583,13 t

As consequências do período de estiagem devem começar a se refletir na produtividade da lavoura, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar

156

São Paulo – A moagem de cana-de-açúcar acumulada na safra 2020/2021 na região Centro-Sul somou 538,13 milhões de toneladas na primeira quinzena de outubro, alta de 5,06% na comparação com o registrado no mesmo período da safra 2019/2020, de acordo com a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

“Entramos em um período de desaceleração no processamento de matéria-prima, visto o ritmo intenso da moagem dos últimos meses graças a estiagem. As consequências do prolongado período de estiagem devem começar a se refletir na produtividade da lavoura nos próximos meses”, disse o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues.

No período acumulado, a produção total de etanol foi de 25,57 bilhões de litros, 7,49% inferior ao assinalado na última safra. Deste total, foram fabricados 1,27 bilhão de litros de etanol de milho, registrando crescimento de 90,00% em relação ao volume produzido em igual período do ano passado.

No acumulado desde o início da safra até 15 de outubro, 46,85% da cana foi destinada à fabricação de açúcar, ante 35,26% no mesmo período de 2019.

Segundo a entidade, a proporção de cana voltada à fabricação do açúcar permanece elevada a despeito da redução marginal de mix em relação a segunda quinzena de setembro, refletindo um movimento natural do ciclo agrícola, de maior direcionamento da matéria-prima para produção de etanol no último terço de safra.

Neste ano-safra, o Açúcar Total Recuperável atingiu 144,32 quilos por tonelada de cana-de-açúcar, 4,51% superior ao valor apurado no último ciclo agrícola.