Mester, do Fed, defende subir juros em 0,75% caso condições econômicas se mantenham

286
Prédio do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) em Washington. Foto: Divulgação/ Federal Reserve

São Paulo – A presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de Cleveland, Loretta Mester, disse que, se as condições econômicas dos Estados Unidos permanecerem as mesmas na próxima reunião de política monetária em julho, ela defenderá um aumento de 0,75 ponto percentual (pp) na taxa básica de juros do Fed.

Mester sinalizou que o risco de que as expectativas de inflação possa se entrincheirar entre os consumidores deve fazer com que o banco central mantenha sua postura agressiva.

“O fato de que os preços mais altos da gasolina e dos alimentos permanecem elevados sugere que há algum risco de que as expectativas de inflação de longo prazo das famílias e empresas continuem a subir”, disse a presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester.

Ela sugeriu que apoiaria outro aumento de 0,75 pp da taxa básica de juros em julho se as condições econômicas parecerem semelhantes durante a reunião do Fed no próximo mês, ecoando o apoio de outros membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês).

“Se as condições forem exatamente como as de hoje – se a reunião fosse hoje – eu estaria defendendo [aumentos de] 0,75% porque eu não enxergo os números da inflação que eu preciso ver para pensar que podemos voltar a um aumento de 0,50%”, disse Mester durante entrevista à CNBC.

A presidente do Fed de Cleveland ainda sugeriu que a experiência dos consumidores com a inflação, que atingiu 8,6% no nível das manchetes em maio, está “ofuscando” a sua confiança na economia.

“No Fed, estamos em um caminho agora para levar nossas taxas de juros a um nível mais normal e, provavelmente, um pouco acima de um território restritivo, para que possamos baixar essas taxas de inflação e possamos sustentar uma boa economia daqui para frente”, acrescentou ela.