Mercado prevê criação de 160 mil vagas nos EUA em dezembro

194
(Foto: Freeimages/Daniel Vazquez)

São Paulo – O mercado de trabalho dos Estados Unidos criou 160 mil vagas em dezembro, após a abertura de 266 mil postos em novembro, e a taxa de desemprego ficou estável em 3,5%, segundo analistas consultados pela Agência CMA.

Os dados são uma mediana produzida a partir das projeções dos economistas, que oscilam entre a criação de 150 mil e 168 mil vagas, enquanto as estimativas para a taxa de desemprego foram unânimes em 3,5%.

Segundo analistas da Nordea, os dados de dezembro devem ser menores porque em novembro houve a reversão da greve da General Mortos (GM), o que impulsionou
um forte ganho de emprego no mês passado.

Os trabalhadores da montadora estiveram parados por cerca de 40 dias entre os meses de setembro e outubro de 2019.

Apesar da provável desaceleração em dezembro ante novembro, a abertura de vagas deve continuar robusta nos Estados Unidos, de acordo com o economista da Capital Economics, Michael Pierce. “Uma série de evidências sugere que as perspectivas para o mercado de trabalho permanecem sólidas em 2020”.

Segundo ele, após cair no início de 2019, o emprego temporário recuperou-se, e tem sido um bom indicador do mercado de trabalho norte-americano nos últimos anos. Além disso, os subindicadores de emprego medidos pelo Instituto de Gerência e Oferta (ISM, na sigla em inglês) nos setores industrial e de serviços têm melhorado.

“Tão recentemente quanto há alguns meses, ambas as medidas apontavam para a desaceleração da contratação, mas agora voltaram a níveis consistentes com a abertura de vagas da ordem de 150 mil”, disse Pierce.

Já os pedidos de seguro-desemprego seguem em queda. Pierce explicou que o aumento no início de dezembro refletiu principalmente uma questão de ajuste sazonal em torno do feriado de Ação de Graças posterior ao habitual, com as solicitações caindo para 222 mil na última semana de 2019.

O índice de criação de vagas no setor privado, medido pela Automatic Data Processing (ADP) e pela Macroeconomic Advisers, é outro dado observado pelo mercado, que passou a acompanhá-lo como uma espécie de prévia do relatório mais amplo sobre o emprego do Departamento do Trabalho.

Em dezembro, o setor privado dos Estados Unidos criou 202 mil vagas de emprego, excluindo o setor rural. Analistas esperavam uma abertura menor, de 150 mil vagas. Em novembro, o resultado foi revisado para cima, passando de 67 mil vagas para 124 mil, segundo a ADP.

INFLUENCIA DO EMPREGO NA ECONOMIA

Além das vagas de trabalho criadas e a taxa de desemprego, o relatório de emprego do Departamento do Trabalho dos Estados Unidos traz detalhes interessantes que fornecem informações sobre muitas áreas da economia do país, segundo os especialistas consultados.

“Os dados da indústria têm sido mais voláteis ultimamente devido à greve anterior na GM e ao retorno de trabalhadores em greve nos dados de novembro”, de acordo com analistas do Wells Fargo, em relatório.

“A participação do setor industrial na criação de empregos vem melhorando gradualmente, sugerindo que a desaceleração da produção pode estar chegando ao fim”, disseram eles.

GANHOS POR HORA

O relatório de emprego do Departamento do Trabalho também traz dados sobre os salários. A média das projeções dos analistas consultados pela Agência CMA mostra que os ganhos por hora de dezembro cresceram 0,30% em base mensal e 3,1% em base anual.

As projeções variaram entre alta 0,20% e 0,30% na comparação mensal e foram unânimes em base anual. Em novembro, o salário médio por hora no setor privado somou US$ 28,29, alta de 0,24% ante os US$ 28,22 registrados em outubro e aumento de 3,13% ante os US$ 27,43 de novembro de 2018.

O crescimento dos salários possui impactos na inflação e influencia as decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). Na última reunião, em dezembro, o Fed manteve a taxa básica de juros dos Estados Unidos inalterada na faixa entre 1,50% e 1,75%, depois de realizar três corte em 2019.

“A ata do Fed da semana passada mostrou que os formuladores de políticas dos Estados Unidos pareciam felizes com a direção da economia do país, com alguns expressando confiança de que seria possível um maior fortalecimento das condições do mercado de trabalho nos próximos meses, sem colocar muita pressão de alta na taxa de inflação”, segundo a analista da CMC Markets, Michael Hewson.

“Há também uma expectativa de que a taxa de participação geral tivesse o potencial de aumentar”, conclui ele.

A taxa de participação da força de trabalho, ou seja, a proporção da População Economicamente Ativa em relação à população civil total, ficou em 63,2% em novembro, baixa de 0,1 ponto percentual (pp) em relação a outubro.