Mercado buscará pistas sobre metas de longo prazo do Fed em Jackson Hole virtual deste ano

262
Prédio do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) em Washington. Foto: Divulgação/ Federal Reserve

São Paulo – As montanhas de Jackson Hole, Wyoming, não serão o cenário deste ano para o simpósio anual de política monetária organizado pelo Federal Reserve (Fed) de Kansas City, tradicional evento que acontece todos os anos e reúne presidentes de bancos centrais e economistas de todo mundo. Dessa vez, as autoridades se reunirão virtualmente devido à pandemia do novo coronavírus.

O evento, que acontece nos dias 27 e 28 deste mês, tem como tema “Navegando pela Década à Frente: Implicações para a Política Monetária”. O presidente do banco central norte-americano, Jerome Powell, fará um discurso no dia da abertura do evento, que também contará com outros chefes de bancos centrais como o da Inglaterra (BoE), Andrew Bailey, que fala no segundo dia.

A expectativa é de que Powell fale, por exemplo, sobre o desafio de como estimular a inflação, depois que deixou claro que o Fed está disposto a fazer o que for preciso para sustentar a economia norte-americana com compras de ativos e taxa de juros próxima de zero durante a crise pandêmica.

De acordo com o analista chefe de mercados da CMC Markets, Michael Hewson, os mercados estarão procurando por pistas sobre quais medidas o Federal Reserve pode tomar no caso de outro surto grave de casos de covid-19.

“Uma das preocupações expressas por Powell na última coletiva de imprensa do Fed foi o medo de que o banco central fosse refém de eventos, bem como de qualquer progresso em uma possível vacina”, afirmou Hewson.

Segundo o economista sênior da Mizuho, Colin Asher, o próprio nome do evento deste ano – “Navegando pela Década à Frente: Implicações para a Política Monetária” – já dá uma pista de como será a postura do banco central norte-americano.

“O tema do evento deste ano sugere um foco de longo prazo, o que implica relevância limitada para decisões de política monetária de curto prazo”, disse Asher.

Neste sentindo, o economista da Capital Economics, Michael Pearce, afirma que a principal área de interesse será quaisquer detalhes sobre as mudanças que o Fed está prestes a fazer em sua estratégia de longo prazo e declaração de metas.

“Se, como esperamos, o Fed adotar uma forma de meta de inflação média, isso poderá abrir caminho para uma resposta de política mais agressiva ainda este ano”, disse Pearce.

A HISTÓRIA DE JACKSON HOLE

Em abril, o Fed de Kansas City havia dito que estava considerando as implicações para o evento depois de saber que o histórico Jackson Lake Lodge, no Parque Nacional de Grand Teton, não abriria para a temporada devido ao novo coronavírus.

O simpósio, que acontece todos os anos desde 1978, tornou-se uma das maiores atrações do circuito de eventos dos bancos centrais globais a partir de 1982, quando mudou o local para Jackson Hole para atrair um convidado cobiçado: o então presidente do Fed, Paul Volcker.

Volcker, que morreu em dezembro, era um ávido pescador, e o chefe do departamento de pesquisa do Fed de Kansas City escolheu Jackson Hole após saber da pesca de truta de classe mundial.

Volcker compareceu e pescou e o simpósio, que anteriormente se concentrava na agricultura e era realizado em diferentes locais dentro do distrito de Kansas City, tornou-se o encontro anual obrigatório dos maiores nomes do banco central.

Na crise de 2008 e 2009, o evento ganhou ainda mais importância depois que os presidentes do Fed usaram o simpósio, normalmente realizado no final de agosto, para sinalizar mudanças importantes na política monetária ou nas perspectivas econômicas.