MERCADO AGORA: Veja um sumário dos negócios até o momento

169

São Paulo – Após mostrar maior cautela no início do pregão, o Ibovespa passou a subir puxado por uma virada de ações de bancos e seguindo o tom mais positivo das Bolsas norte-americanas, que avançam em meio a notícias de que as negociações sobre um pacote de ajuda fiscal mais amplo devem ser retomadas.

No Brasil, investidores mostram menor preocupação com a cena fiscal com o aparente apaziguamento de tensões do governo com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. No entanto, ainda podem ser adotadas posições mais defensivas ao longo do pregão, já que segunda-feira os mercados ficarão fechados no País em função de feriado.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa registrava alta de 0,14%, aos 98.059,48 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 15,0 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em outubro de 2020 apresentava avanço de 0,39%, aos 98.055 pontos.

“Temos poucas novidades hoje, o que mais está fazendo preço são os rumos da Casa Branca. Trump [Donald, presidente norte-americano] anunciou na terça-feira que ia cancelar negociações sobre o pacote de ajuda, depois que ia negociar pacotes menores e, agora, temos as notícias de que um pacote mais amplo vai voltar a ser negociado”, disse o estrategista da Genial Investimentos, Filipe Villegas, em live.

Depois de dúvidas ao longo da semana, a presidente da Câmara dos Deputados nos Estados Unidos, a democrata Nancy Pelosi, mostrou-se aberta a continuar negociações com republicados sobre um pacote maior, após negar ajuda às companhias aéreas por meio de medidas separadas. Pelosi e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, conversaram 40 minutos sobre o assunto.

Entre as ações, as de bancos, que caíam mais cedo, voltaram a subir, caso do Bradesco (BBDC4 0,96%) e do Santander (SANB11 1,78%). Os papéis têm refletido relatórios sobre expectativas para os resultados do terceiro trimestre. Ontem, por exemplo, o UBS se mostrou otimista com o trimestre, apesar de prever impactos nas margens em função da pandemia, o que fez o setor mostrar forte alta.

Já as maiores altas do Ibovespa são da CVC (CVCB3 7,16%), da MRV (MRVE3 6,72%) e da Gol (GOLL4 5,34%). A MRV divulgou dados operacionais do terceiro trimestre de 2020, que foram considerados fortes por analistas do Credit Suisse e do BTG Pactual.

Na contramão, as maiores quedas do índice são do IRB Brasil (IRBR3 -2,45%), da Petrobras (PETR3 -2,08%) e da Marfrig (MRFG3 -2,17%). Os papéis da Petrobras acompanham a queda dos preços do petróleo e a notícia de que a Justiça determinou a continuidade de arbitragem instaurada pela Fundação Petrobras de Seguridade Pessoal (Petros) e pela Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ) contra a estatal. O processo dos fundos de pensão se refere à indenização a investidores por má conduta no âmbito da operação Lava Jato.

Já na cena política doméstica, Maia e o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltaram a se aproximar e convergir em torno do compromisso com o teto de gastos, após incertezas ao longo da semana e a confirmação de que o programa social Renda Cidadã só será apresentado depois das eleições municipais.

O dólar comercial acelerou a queda frente ao real e opera abaixo de R$ 5,55 acompanhando o exterior onde a moeda norte-americana perde terreno para as divisas pares e de países emergentes em meio ao otimismo dos investidores em torno das negociações de um pacote de estímulo fiscal nos Estados Unidos. aqui, uma trégua na política eleva o otimismo.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava queda de 1,01%, sendo negociado a R$ 5,5320 na venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em outubro de 2020 apresentava recuo de 1,27%, cotado a R$ 5,535.

O diretor superintendente de câmbio da Correparti, Jefferson Rugik, reitera que lá fora, o dólar está fragilizado diante a expectativa do mercado de que o pacote de ajuda econômica aos Estados Unidos seja anunciado antes das eleições, em 3 de novembro. Nesta semana, o presidente norte-americano, Donald Trump, havia anunciado que a discussão sobre o pacote continuaria após a eleição presidencial, gerando um forte desconforto no mercado.

Há pouco, o republicano e líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, declarou que o Congresso, provavelmente, não aprovará outro pacote de ajuda ao novo coronavírus antes de 3 de novembro.

O mercado local tem uma trégua nos ruídos políticos e na expectativa quanto ao programa Renda Cidadã após o senador Márcio Bittar, também relator da PEC Emergencial – texto que incluirá o programa Renda Cidadã – confirmar que a proposta do programa social que substituirá o Bolsa Família será apresentada após as eleições municipais.

“Ajudou também a conciliação entre Rodrigo Maia [presidente da Câmara dos Deputados] e o ministro [da Economia] Paulo Guedes para acelerar a PEC emergencial, que será importante para definir a questão do teto da dívida e recursos para o programa Renda Cidadã”, comenta o analista da corretora Mirae Asset, Pedro Galdi. “A lua de mel entre Guedes e Maia, que reiteraram a defesa da PEC Emergencial, corrobora para o alívio local”, acrescenta Rugik.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) seguem sem uma direção única, com os investidores divididos entre os índices de preços divulgados hoje, que calibram as expectativas sobre o rumo da Selic, e a queda do dólar. A pausa prolongada até a próxima segunda-feira, feriado nacional, contribui para deixar os negócios indefinidos, ao mesmo tempo em que a questão fiscal segue no radar.

Às 13h30, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 3,19%, de 3,19% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 4,62%, de 4,56% após o ajuste ontem; o DI para janeiro de 2025 estava em 6,52%, de 6,56%; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 7,49%, de 7,54%, na mesma comparação.