MERCADO AGORA: Veja um sumário dos negócios até o momento

São Paulo – O Ibovespa segue operando no terreno positivo e chegou a passar os 124 mil pontos na máxima da sessão, puxado pelas ações da mineradora Vale e dos bancos com os investidores realizando movimentos de rotação de setores e no aguardo da divulgação do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em alta de 0,75%, aos 123.914,47 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 15,3 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em junho de 2021 apresentava avanço de 0,65%, aos 124.130 pontos.

Os papéis da Vale e do setor financeiro estão ajudando a empurrar o índice para acima. As ações da Vale (VALE 3) chegaram apresentar queda no início do pregão mas reverteram a direção e sobem %. Os papéis do setor financeiro como Itáu (ITUB4); Bradesco (BBDC3 e BBDC4) e Santander (SANB11) avançam 1,58%; 2,19% e 2,25% e 1,73%, respectivamente.

Os analistas da Terra Investimentos afirmam que “nos últimos dias os investidores estão realizando lucros nas empresas ligadas às commodities e procurando oportunidades em outros setores como bancos, varejistas, aéreas e alimentos”.

Os destaques de alta no Ibovespa são as empresas GOL (GOLL4) e Azul (AZUL 4), que sobem mais de 4% e mais de 5%, respectivamente. As ações da Azul são favorecidas pela notícia de que a companhia aérea está pronta para buscar aquisições no setor e as projeções para a Gol são mais otimistas, uma vez que haja avanço na vacinação no Brasil.

Para os analistas da Sul América Investimentos, a divulgação do Caged pelo Ministério da Economia, no final da manhã, será o foco dos investidores. “Deve ser o principal dado para afetar o mercado e a mediana de projeções é para 155 mil vagas criadas, uma desaceleração em relação ao mês anterior, de 184 mil, mas ainda bastante elevado”, afirmam.

Os analistas da Sul América investimentos acreditam em um dia mais favorável para a Bolsa. “Um noticiário político mais benigno juntamente com um melhor ambiente global podem ajudar a bolsa subir hoje”

O estrategista Filipe Villegas, da Genial Investimentos, comenta que os investidores devem focar nas notícias locais e no corporativo “o mercado atual é desafiador com volatilidade, incertezas e oscilações entre altas e baixas, por mais que haja uma leve percepção de ativos de risco.”

No radar dos investidores está a fala de um dos membros do Fed, Randal Quarles, às 16h, que deve falar sobre a política monetária do Fed. Os integrantes do banco central dos Estados Unidos têm sinalizado que a inflação é transitória.

No mercado de commodities, as atenções seguem para o minério de ferro. Hoje na Bolsa de Dailan, na China, o metal fechou em queda de 2,2%. Segundo o estrategista da Genial Investimentos, a China proibiu os investidores de varejo operarem contratos futuros ligados a commodities para diminuir as especulações. As ações das siderúrgicas caem.

O dólar comercial voltou a acelerar as perdas após exibir volatilidade e ensaiar uma alta frente ao real. A recuperação das moedas de países emergentes segura o desempenho positivo da moeda local, enquanto a divisa norte-americana ganha terreno frente aos pares. Aqui, investidores monitoram os avanços nas discussões da agenda de reformas.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava queda de 0,58%, cotado a R$ 5,3060 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em junho de 2021 apresentava recuo de 0,58%, cotado a R$ 5,308.

Mais cedo, o vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou requerimento para a convocação do presidente Jair Bolsonaro. É a primeira vez que a CPI recebe um pedido para que haja depoimento do presidente. O pedido, porém, precisa ser aprovado pelo colegiado para ter efeito.

“O dólar exibe um comportamento lateral aqui e lá fora desde o início da semana. Apesar de oscilar, o real acompanha as emergentes que operam com ganhos hoje. O ambiente externo prevalece nos negócios locais”, comenta o diretor de câmbio de uma corretora nacional.

Ainda sobre o movimento externo, o economista da Guide Investimentos, Victor Beyruti, reforça que os membros do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) têm acalmado investidores ao reafirmarem que a pressão sobre os preços é “fruto de condições passageiras”. Portanto, a inflação deverá ser “transitória”.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) operam em queda hoje com os investidores ainda repercutindo o que viram como uma diminuição da pressão inflacionária nos dados do IPCA-15, divulgados na véspera, em meio a uma melhora do apetite por risco no exterior e à percepção de que a CPI da pandemia tornou-se uma espécie de cortina de fumaça para o avanço da agenda de concessões e reformas que andava estagnada em Brasília.

Por volta das 13h30, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 4,965%, de 5,005% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 6,605%, de 6,71%; o DI para janeiro de 2025 ia a 8,03%, de 8,15% antes; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 8,63%, de 8,75%, na mesma comparação.