MERCADO AGORA: Veja um sumário dos negócios até o momento

Foto: Krzysztof Baranski/ freeimages.com

São Paulo – Após operar por quase toda a manhã em queda, o Ibovespa virou e passou a subir perto do início da tarde, apresentando forte volatilidade até se firmar em avanço. Com isso, o Ibovespa se aproxima e opera mais em linha com as bolsas norte-americanas, que seguem mistas. Mais cedo, o Orçamento pesou sobre o índice.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em alta de 0,43%, aos 119.324,17 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 16,0 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em abril de 2021 apresentava avanço de 0,63%, aos 119.380 pontos.

O Ministério da Economia trabalha com uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para facilitar os gastos com programas de combate à Covid-19 por meio de créditos extraordinários.

Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, a intenção é evitar que seja decretado estado de calamidade, o que corresponderia a “assinar um cheque em branco” para que parlamentares realizem despesas adicionais.

Com forte volatilidade desde a abertura dos negócios, o dólar comercial voltou a operar sem direção única frente ao real, com sinais positivo e negativo, em meio ao movimento técnico local com investidores ajustando posições diante das incertezas políticas e fiscais do país. Lá fora, onde as moedas de países emergentes operam mistas e divisa norte-americana perde terreno para os pares, investidores digerem o resultado da inflação nos Estados Unidos, em março.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava queda de 0,34%, cotado a R$ 5,7050 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em maio de 2021 apresentava recuo de 0,59%, cotado a R$ 5,710.

O diretor de uma corretora nacional reforça que na abertura dos negócios houve um movimento de desmonte de posições compradas para a realização de lucros no mercado doméstico. Ao longo da manhã, em meio à forte volatilidade, pesou o movimento técnico local. “Podemos chamar de jogo de interesses. Com bastante volatilidade, hoje ficou claro que a moeda está caindo sempre na janela da [taxa] Ptax. Foi assim às 10 horas e às 11 horas”, comenta.

Ele acrescenta que também na abertura dos negócios, houve uma reação pontual dos investidores locais aos números da inflação norte-americana em março, com o exterior ainda digerindo os dados. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,6% na comparação com fevereiro, enquanto a projeção era alta de 0,5%.

O estrategista-chefe da Levante, Rafael Bevilacqua, avalia que a preocupação dos investidores são as “reiteradas” declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, de que a autoridade monetária será complacente com a inflação para não abreviar nem interromper o processo de recuperação econômica.

“No entanto, a alta dos preços pode pressionar o rendimento dos títulos do governo norte-americano [as treasuries], alterando o fluxo de recursos para países emergentes e desenvolvidos. Por isso, a sessão é marcada por uma forte volatilidade, enquanto os investidores digerem a notícia e refazem os cálculos de risco e de retorno”, pondera.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) operam em alta, pressionadas pelas incertezas relacionadas ao Orçamento de 2021. Também está no radar dos investidores a iminente instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a apurar falhas na reação do governo à pandemia.

Por volta das 13h30, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 4,745%, de 4,735% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 6,635%, de 6,605%; o DI para janeiro de 2025 ia a 8,36%, de 8,28% antes; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 8,99%, de 8,93%, na mesma comparação.