MERCADO AGORA: Veja um sumário dos negócios até o momento

Foto: Wagner Magni / freeimages.com

São Paulo – O índice Ibovespa opera em alta, acima dos 114 mil pontos, contrariando a previsão do contrato futuro que sinalizava queda na abertura dos negócios e acelerou os ganhos acompanhando uma melhora em Nova York após a divulgação dos dados do mercado de trabalho melhores do que o esperado nos Estados Unidos, em fevereiro. A leitura é de que a economia norte-americana poderá estar a caminho de uma recuperação em meio ao cenário da pandemia do novo coronavírus.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em alta de 0,83%, aos 113.625,90 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 20,3 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em abril de 2021 apresentava avanço de 0,27%, aos 113.760 pontos.

“A bolsa acelerou a alta após os dados do payroll, que veio quase o dobro do esperado. Isso trouxe um combustível para o mercado e esses dados mais fortes podem sinalizar o fim de um ciclo de uma super acomodação da economia norte-americana. Vamos ver se Nova York sustenta essa alta ao longo da sessão”, comenta o economista e CEO da Veedha Investimentos, Rodrigo Tonon.

Segundo o relatório de empregos do país, o payroll, a economia norte-americana criou 379 mil postos de trabalho em fevereiro, acima das projeções que esperavam a abertura de 162,5 mil vagas. Já a taxa de desemprego caiu para 6,2%, de 6,3% em janeiro, abaixo da previsão de 6,4%.

Os analistas da Capital Economics (CE) destacam que a “queda drástica” no número de casos de covid-19 nos Estados Unidos, além de estímulos fiscais de maior escala a caminho e com o programa de vacinação atingindo a massa antes de meados do ano, colocam o país “bem posicionado” para recuperar um número significativo de empregos perdidos nos últimos meses.

Para a economista da Toro Investimentos, Stefany Oliveira, o resultado do payroll “fomenta” o cenário de reaquecimento da economia norte-americana após a pandemia. “Traz mais esperança ao investidor de que a recuperação econômica pode acontecer”, diz.

A economista reforça que, aqui, a aprovação da PEC Emergencial em segundo turno ontem no Senado ainda “ecoa” no mercado doméstico, já que alivia os temores de aumento do risco fiscal. Além disso, os papéis da Petrobras reagem à decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e membros aliados em estender os cortes de produção até abril, com base em incertezas em relação à recuperação da demanda.

A decisão fortalece os preços da commodity que sobe mais de 3% os preços dos contratos futuros do tipo WTI, acima de US$ 65 o barril. As ações da Petrobras sobem mais de 2%, enquanto os papéis de bancos como o Itaú têm altas de mais de 3%.

Em alta desde a abertura dos negócios, o dólar comercial acelerou os ganhos frente ao real, chegando a renovar as máximas da sessão a R$ 5,72, acompanhando o fortalecimento da moeda no exterior ante das divisas pares e de países emergentes em meio ao avanço do rendimento da taxa de juros futuros dos títulos de dívida do governo norte-americano, as treasuries, no qual o vencimento de 10 anos bateu novas máximas em um ano, acima de 1,60%. Os dados de emprego dos Estados Unidos, payroll, com a criação de vagas de trabalho em fevereiro acima do esperado refletiu no preço dos ativos.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava alta de 0,68%, cotado a R$ 5,6990 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em março de 2021 apresentava avanço de 0,56%, cotado a R$ 5,705.

“O payroll mostrou uma criação de vagas mais forte do que o projetado, o que criou o clima para os investidores verem que o período de juros mais baixos nos Estados Unidos pode estar chegando ao fim. Com isso, a taxa de juros de 10 anos subiu fortemente”, avalia o economista-chefe da Necton Corretora, André Perfeito.

Ele acrescenta que a perspectiva de dólar em alta contra o real se mantém e reforça, mais uma vez, a perspectiva de alta da taxa de juros (Selic) no Brasil. “Apesar de um certo pânico entre alguns investidores, acredito que o Copom [Comitê de Política Monetária] não deverá subir a Selic fortemente neste mês, mas antes começar o ciclo com uma alta de 0,25 ponto percentual. Uma alta muito forte nos juros iria soar como se o Banco Central estivesse também em pânico”, pondera.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) operam sem direção clara depois de apagarem a maior parte da alta que vinha sendo observada desde o início do pregão depois da divulgação do payroll, como é conhecido o relatório sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos. Enquanto os vencimentos mais curtos têm viés de alta, os mais longos mostram tendência de queda.

Por volta das 13h30, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 3,88%, de 3,83% no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 5,575%, de 5,53%; o DI para janeiro de 2025 ia a 7,18%, de 7,15% ontem; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 7,81%, de 7,83%, na mesma comparação.