MERCADO AGORA: Veja um sumário dos negócios até o momento

144
Foto: Myles Davidson / freeimages.com

São Paulo – O Ibovespa opera em leve alta em um dia no qual as principais bolsas de valores internacionais encontram dificuldade para avançar e o apetite por risco migra para os mercados de cibermoedas e commodities.

O principal índice da B3 passou a disputar a marca de 120 mil pontos graças ao reflexo do bom desempenho observado nos ETFs e nas ADRs da Petrobras e da Vale ontem em Nova York, o que repercute na bolsa brasileira na encurtada sessão desta Quarta-Feira de Cinzas.

Por volta das 15h45 (horário de Brasília), o Ibovespa registrava alta de 0,79% aos 120.371,03 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 15,0 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em fevereiro de 2021 apresentava avanço de 0,56%, aos 120.210 pontos.

Ao mesmo tempo, o salto no rendimento dos títulos da dívida do governo dos Estados Unidos leva os investidores a se perguntarem até onde – e quando – os ativos de risco devem continuar subindo antes da interrupção deste movimento.

No exterior, a perspectiva de que a economia retornará aos níveis pré-pandemia é amparada pelo avanço das campanhas de vacinação contra a covid-19. Entretanto, o Brasil é um dos lugares onde o ritmo lento da vacinação coloca esse otimismo em xeque.

Ao longo dos últimos dias, diversas capitais e cidades brasileiras começaram a interromper a vacinação à medida que as doses da vacina vão chegando ao fim sem que haja um cronograma de entrega de imunizantes. Ao mesmo tempo, também na contramão do resto do mundo, o número de mortes pela doença no Brasil segue em alta.

Com isso, os agentes do mercado financeiro levam em consideração que o governo não terá como se furtar de uma nova rodada de auxílio emergencial, uma vez que o avanço da doença inibe a recuperação econômica. A questão é se a retomada do auxílio emergencial terá alguma contrapartida fiscal ou se colocará em risco o teto de gastos.

No campo político, o assunto mais relevante do dia é a prisão do deputado federal Daniel Silveira, da ala bolsonarista do PSL. Ele defendeu a destituição dos ministros do Supremo Tribunal Federal e foi alvo de um mandado de prisão do ministro Alexandre de Moraes. A permanência dele na prisão depende de decisão da Câmara dos Deputados.

O dólar comercial tem alta firme frente ao real e opera acima do patamar de R$ 5,40 na volta do feriado prolongado, em ajuste com o exterior. Lá fora, o dólar ganha terreno ante as moedas de países emergentes em meio à alta dos títulos de dívida do governo norte-americano, com os juros de 10 anos ao redor de 1,3%, e à indicadores de atividade melhores do que o esperado. Aqui, investidores aguardam novidades a respeito do retorno do auxílio emergencial.

Por volta das 15h45, o dólar comercial registrava alta de 0,94%, cotado a R$ 5,4250 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em março de 2021 apresentava avanço de 0,98%, cotado a R$ 5,426.

O economista da Guide Investimentos, Victor Beyruti, ressalta que os dados de vendas no varejo dos Estados Unidos corroboraram com a melhora do dólar no exterior. “Enquanto aqui, na política, o mercado segue no limbo com relação às conversas em torno do auxílio [emergencial]. Além disso, a falta de vacinas volta a tomar conta do noticiário”, reforça;

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) são negociadas em alta desde a abertura do pregão, que começou no início da tarde, com o foco dos negócios ainda na cena política brasileira. Os investidores seguem à espera de novidades sobre a nova rodada do auxílio emergencial, mas as atenções em Brasília estão concentradas nas tratativas após o encarceramento do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), preso em “flagrante delito” na noite de ontem.

Às 15h45, o DI para janeiro de 2022 tinha taxa de 3,415%, de 3,36% no ajuste anterior, ao final da semana passada; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 5,075%, de 4,96% após o ajuste na última sexta-feira; o DI para janeiro de 2025 estava em 6,65%, de 6,52%; e o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 7,31%, de 7,19%, na mesma comparação.