MERCADO AGORA: Veja um resumo dos negócios até o momento

275

São Paulo – Após chegar a subir mais de 2% perto da abertura, o Ibovespa chegou a cair por alguns minutos e mostra volatilidade acompanhando a indefinição das Bolsas norte-americanas, já que a cautela frente à pandemia do novo coronavírus permanece. Investidores estão digerindo medidas de estímulos já tomadas e as determinações de isolamento social, com os Estados Unidos estendendo as diretrizes de confinamento até o fim do mês.

Por volta das 13h30 (horário de Brasília), o Ibovespa registrava alta de 1,60% aos 74.604,28 pontos. O volume financeiro do mercado era de aproximadamente R$ 9,1 bilhões. No mercado futuro, o contrato de Ibovespa com vencimento em abril de 2020 apresentava avanço de 1,54% aos 74.455 pontos.

Para Thiago Salomão, da Rico Investimentos, os mercados mostram uma maior tranquilidade nesta manhã, embora acredite que a volatilidade deva continuar a prevalecer nos próximos dias.

“Se por um lado, a série de medidas anunciadas por Bancos Centrais do mundo todo tem passado o recado de que será feito de tudo para impedir os impactos de uma crise que tem hora para acabar, por outro lado, cresce a preocupação de que os efeitos econômicos podem ser mais duradouros do que antes imaginado”, disse em relatório.

Neste fim de semana, o presidente norte-americano Donald Trump adiou para até pelo menos 30 de abril as diretrizes de isolamento social no País, voltando atrás no seu discurso anterior de que a quarentena deveria acabar na Páscoa.

Já o estrategista-chefe da Levante Investimentos, Rafael Bevilacqua, afirma que a sensação nesta manhã é que o mercado está “buscando um patamar de acomodação”.  “Esta segunda-feira é o primeiro começo de semana em quase um mês em que os contratos futuros do S&P 500 não testaram os limites máximos de baixa. Nas últimas semanas, esses contratos começavam o pregão desabando, em geral reagindo às notícias ruins do fim de semana anterior”, disse.

Para ele, a decisão de Trump, apesar de “danosa para a economia no curto prazo”, “deve ser benéfica em prazos mais longos”. Trump reiterou hoje que sem o isolamento o número de mortos nos Estados Unidos poderia chegar da 2,2 milhões de pessoas.  Os Estados Unidos já possuem 143 mil casos confirmado de Covid-19 no país. Entre eles, 59,7 mil estão em Nova York. As mortes já somam 2.513. As informações são da compilação de dados da Johns Hopkins.

A Eletrobras divulgou seus resultados financeiros do quarto trimestre de 2019, além de informar que pretende investir R$ 32,2 bilhões nos próximos quatro anos, embora tenha destacado que o plano foi feito antes da pandemia. Já a Klabin anunciou a compra do negócio de papéis para embalagens e papelão ondulado da International Paper do Brasil (IP) por R$ 330 milhões.

O dólar comercial acelerou os ganhos frente ao real, acima de R$ 5,17, reagindo às declarações do secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, sobre o déficit primário do país que deverá disparar neste ano. Porém, voltou ao nível de R$ 5,14 após o Banco Central (BC) anunciar o leilão de venda de dólares no mercado à vista de até US$ 1,0 bilhão, no qual foram aceitos US$ 625,0 milhões.

Por volta das 13h30, o dólar comercial registrava alta de 1,15%, sendo negociado a R$ 5,1620 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em abril de 2020 apresentava avanço de 1,18%, cotado a R$ 5,162.

Segundo Almeida, 2020 será um “ano atípico” com forte alta do déficit primário, acima de R$ 350,0 bilhões. O secretário afirmou que o impacto maior na economia será sentido nos próximos três meses com as medidas emergenciais tomadas pelo governo federal para conter os efeitos do coronavírus. Para se ter uma ideia, as contas públicas do governo federal fecharam 2019 com um déficit primário de R$ 61,872 bilhões.

Além disso, o comportamento da moeda reflete a forte aversão ao risco que prevalece no exterior, principalmente nos mercados de países emergentes, em meio à elevação da cautela com o avanço do novo coronavírus na Europa, Estados Unidos e aqui, enquanto autoridades elevam as medidas restritivas de isolamento social.

O analista da corretora Mirae Asset, Pedro Galdi, reforça que os sinais “do estrago” para a economia do mundo já se refletem nos indicadores econômicos. “Uma recessão já é esperada e a volta da economia vai depender do sucesso em acertar esse prazo de retomada”, comenta.

Mansueto acrescentou que a arrecadação deve encolher nos próximos meses. “Haverá frustação na receita. Por exemplo, já teve medidas como a postergação da arrecadação com o simples. Isso vai nos dar um desafio de arrecadação e a despesa também vai mudar radicalmente”. No bimestre, o secretário afirmou que a arrecadação teve alta real de 1,2%.

As taxas dos contratos de juros futuros (DIs) seguem negociadas em queda, na contramão dos ganhos do dólar, com os investidores retirando prêmios da curva a termo, em meio à melhora do sentimento em relação aos ativos de risco.

Às 13h30, o DI para janeiro de 2021 tinha taxa de 3,42%, de 3,50% no ajuste ao final da semana passada; o DI para janeiro de 2022 estava em 4,23%, de 4,37% após o ajuste na última sexta-feira; o DI para janeiro de 2023 projetava taxa de 5,47%, de 5,66%; e o DI para janeiro de 2025 tinha taxa de 6,85%, de 6,97%, na mesma comparação.