Medidas do governo dos EUA devem impactar JBS no longo prazo, diz XP

Foto: Divulgação/JBS

São Paulo – A XP avalia que possíveis medidas do governo federal norte-americano para conter a concentração de mercado de proteínas podem afetar a JBS nos EUA, mas apenas no longo prazo e reiterou a recomendação de compra da ação da companhia com preço-alvo de de R$ 51,8 por ação, citada como a principal escolha neste setor.

Os analistas citam que o plano de ação anunciado pela administração Biden-Harris no último dia 3, que incluiu quatro pilares estratégicos para alcançar uma “cadeia de suprimentos de carnes e aves mais justa, competitiva e resiliente”. Isso por que, atualmente, JBS, Marfrig, Cargill e Tyson respondem por 85% do volume total de abates dos Estados Unidos, uma concentração maior do que a observada em outros países exportadores de carne bovina, e o suficiente para levantar questões de possíveis manipulações de mercado.

“O recente anúncio da Administração dos Estados Unidos de possíveis medidas para reduzir a concentração de mercado na indústria de proteínas não deve ter muito impacto no curto prazo, em nossa opinião. Além disso, em função da situação atual do Brasil, com piora macro e fiscal agravando o câmbio, somado a uma virada de ciclo da pecuária com expectativa de aumento da oferta de gado, as margens devem melhorar no país, em nossas estimativas”, comentaram os analistas, em relatório.

Nos EUA, eles esperam que as margens diminuam, mas permaneçam acima dos níveis históricos, enquanto a operação na Austrália também deve somar positivamente às margens em 2022. “Esperamos margens de low double digit no 4T21 para a JBS USA Beef (JBSS3), mas high single digit em 2022, próximo ao nível histórico de 5-7%”, estimaram os analistas.