McConnell bloqueia aprovação de cheques de US$ 2 mil por votação unânime

191
Fachado do Capitólio, em Washington / Foto: Divulgação / Governo britânico

São Paulo – O líder da maioria no Senado dos Estados Unidos, o republicano Mitch McConnell, bloqueou a tentativa do líder da minoria no Senado, o democrata Chuck Schumer, de elevar os pagamentos diretos do pacote de alívio ao novo coronavírus para US$ 2 mil por votação unânime.

O movimento acontece depois que a Câmara dos Deputados, com quase todos os democratas 44 republicanos, votou na noite de ontem em favor do aumento dos pagamentos diretos aos norte-americanos de US$ 600, previstos no pacote original sancionado no domingo, para US$ 2 mil como deseja o presidente norte-americano, Donald Trump.

McConnell convocou os senadores de volta ao trabalho nesta semana com um objetivo: anular o veto de Trump à lei de gastos com defesa. Ele, no entanto, ainda não se comprometeu a levar considerar o pagamento de US$ 2 mil para votação.

Ainda assim, os democratas tentam usar as ferramentas limitadas à disposição para forçar uma votação. Falando no plenário do Senado hoje, McConnell disse que planejava marcar uma votação amanhã sobre a anulação do veto.

Schumer, por sua vez, pediu ao Senado que votasse tanto a anulação do veto do projeto de defesa quanto os pagamentos de US$ 2 mil, porém, quando pediu consentimento unânime para aumentar o valor dos cheques, McConnell se opôs.

Como o Senado precisa de apoio unânime para avançar rapidamente na maioria das questões, qualquer senador pode paralisar as atividades se quiser. Se o Senado considerar o pagamento direto, todos os 48 democratas e independentes provavelmente votariam a favor. A medida então precisaria do apoio de 12 dos 52 republicanos do Senado.