Mapa diz que não há previsão de retomada de venda de carne bovina à China; para XP, demora afetará margens

Ministério suspendeu exportações para o país desde o dia 4 após casos de vaca louca; para a XP, demora pode prejudicar margens de frigoríficos

Foto: André Montejorge / freeimages.com

São Paulo – O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou, por meio de nota, que não há ainda uma previsão para a retomada das vendas de carne bovina do Brasil para a China. As informações são da Agência SAFRAS.

Segundo o Mapa, a suspensão das vendas, iniciada no dia 4, continua em vigor até que as autoridades chinesas concluam a avaliação das informações já repassadas pelo Brasil após a confirmação de casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) -conhecidas popularmente como mal da vaca louca – registrados nos estados de Mato Grosso e de Minas Gerais.

Havia a expectativa de que o auto-embargo à China anunciado pelo governo depois dos casos de vaca louca pudesse ser suspenso ainda esta semana. A XP Investimentos lembra que na última vez que o Brasil registrou um caso atípico de BSE, a China levou 13 dias para verificar todos os documentos e retomar as importações. Hoje é o 12º dia da suspensão e os analistas da corretora estavam otimistas com o apetite da China e com sua celeridade no encerramento deste caso, em relatório divulgado pela manhã.

Para os analistas, se esse problema levar mais tempo para ser resolvido, poderá ocorrer “uma rápida deterioração nas margens dos frigoríficos brasileiros”. Porém, JBS e Marfrig, devido às operações nos Estados Unidos e bom momento da indústria de carne bovina no território norte-americano, devem conseguir compensar parte do efeito.

Às 12h57 (horário de Brasília), as ações da Minerva (BEEF3) estavam entre as maiores altas do Ibovespa, subindo 1,87%, a R$ 9,78. Os papéis da JBS (JBSS3 +0,61%) e da Marfrig (MRFG3 +1,21%) também operavam em alta, enquanto a BRF (BRFS3 -1,04%) recuava.

ARÁBIA SAUDITA

Também não há previsão de retorno de parte de importações da Arábia Saudita. Mesmo após a Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE) ter confirmado como encerrados os episódios de EEB em território nacional, a Arábia Saudita suspendeu, no último dia 6, as importações de carne bovina de cinco plantas bovinas de Minas Gerais. Segundo o Mapa, as razões estariam ligadas aos casos de mal de vaca louca atípicos registrados no país.

Ainda conforme o Mapa, o Brasil já encaminhou informações técnicas sobre o caso para as autoridades sanitárias da Arábia Saudita. Estão sendo realizadas reuniões, mas não há ainda previsão sobre a retirada das suspensões”, disse a pasta.